13:44 16 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Recém-libertada piloto militar Nadezhda Savchenko no aeroporto de Kiev

    Savchenko está disposta a mandar para a guerra 'carne para canhão' para recuperar Crimeia

    © Sputnik / Mikhail Palinchak
    Europa
    URL curta
    6343

    A deputada da Suprema Rada ucraniana Nadezhda Savchenko propõe vários cenários para devolver a Crimeia à Ucrânia.

    "Existem várias opções. Podemos começar vivendo uma vida boa e rica, reanimar a economia e, em seguida, a Crimeia ficará em crise. <…> Mas existe um método mais rápido – começar a guerra e arrancar a Crimeia", disse Savchenko numa entrevista à edição online Apostrof.

    Ela também expressou confiança que a Ucrânia tem capacidade militar para conquistar a Crimeia.

    "Os nossos 40 milhões têm um potencial militar maior do que o das 300 mil pessoas que vivem lá na Crimeia. <…> Podem ver que aqui a mobilização se realiza com uma onda após outra. Sim, a primeira onda é a "carne para canhão". Mas é mesmo assim que as guerras começam. Infelizmente, é mesmo assim que elas acontecem", disse a política.

    Em maio, o presidente russo Vladimir Putin indultou Nadezhda Savchenko, anteriormente condenada na Rússia a uma pena de prisão pelo assassinato de dois jornalistas da Companhia Estatal Russa de Rádio e Televisão (VGTRK) em Donbass. Durante a prisão preventiva, Savchenko foi eleita deputada da Suprema Rada da Ucrânia e, após ter regressado a Kiev, iniciou sua atividade política.

    A Crimeia voltou a fazer parte da Rússia após um referendo, realizado na sequência de um golpe de Estado na Ucrânia, em que 95% da população da península optou pela reunificação com a Rússia.

    Mais:

    Savchenko não quer, mas sente que deve se tornar líder da Ucrânia
    Savchenko se oferece para negociar troca de prisioneiros com milícias de Donbass
    Parlamento: Savchenko está preparando golpe por encomenda do Kremlin
    Tags:
    exército, guerra, economia, sanções, Suprema Rada, Nadezhda Savchenko, Crimeia, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar