01:41 20 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Bola de haxixe

    Europol apreende mais de uma tonelada de haxixe e desmonta quadrilha internacional

    © AP Photo / Abdeljalil Bounhar
    Europa
    URL curta
    0 01

    A Europol apreendeu mais de 1.000 kg de haxixe e prendeu 23 pessoas em uma operação conjunta entre Espanha, Polônia, Dinamarca e França contra uma quadrilha de contrabando de drogas, segundo informaram as polícias polonesa e espanhola nesta sexta-feira (12).

    Os líderes da quadrilha foram presos em operações coordenadas pela Europol (Serviço Europeu de Polícia) nas cidades de Marbella, Estepona e Lebrija, no sul da Espanha. Entre os presos, 12 são poloneses, sete são espanhóis e dois são ucranianos.

    "No início, pensávamos que o grupo operava apenas na Espanha, mas mais tarde descobriu-se que eles estavam ativos em toda a Europa, com drogas sendo entregues para a Escandinávia e a Grã-Bretanha, entre outros", disse Jaroslaw Szymczyk, chefe da polícia polonesa, em entrevista coletiva.

    "Este grande sucesso não teria sido possível sem a cooperação entre a Europol e as forças policiais espanholas e polonesas, bem como de outros países da União Europeia", disse Michael Rauschenbach, chefe de operações do departamento de Criminalidade Grave e Organizada na Europol.

    O suposto líder do grupo, que tem 47 anos e atende pela alcunha de "Bandit", já havia servido uma sentença de prisão na Polônia por pertencer na década de 1990 à chamada Máfia Pruszkow, uma das gangues mais notórias no país após a transição do comunismo em 1989. A quadrilha era conhecida por práticas de extorsão, contrabando de drogas, sequestros e assassinatos.


    Mais:

    Maconha dá segunda chance a atleta desqualificado
    Presidente filipino dá ultimato a funcionários ligados a tráfico de drogas
    Obama comuta penas de 214 condenados por crimes relacionados a drogas
    Tags:
    Pruszkow, quadrilha, apreensão, polícia, drogas, haxixe, Europol, Europa, Polônia, Espanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik