10:07 25 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Esportes
    URL curta
    0 76
    Nos siga no

    A Sputnik Brasil conversou com o presidente da Confederação de Beach Soccer do Brasil sobre as chances de a Seleção Brasileira ganhar o hexa na 11ª edição da Copa do Mundo FIFA de Futebol de Areia.

    Começou nesta quinta-feira (19) a 11ª edição da Copa do Mundo FIFA de Futebol de Areia. O evento, disputado em Moscou, vai até 29 de agosto. Campeão em 2006, 2007, 2008, 2009 e 2017, o Brasil vai em busca do hexacampeonato mundial.

    O evento acontece no complexo olímpico Luzhniki, no distrito de Khamovniki, em Moscou. O histórico estádio foi palco da Olimpíada de 1980 e da abertura e final da Copa do Mundo FIFA de 2018. A arena tem capacidade para cinco mil torcedores, mas a FIFA anunciou que a capacidade será limitada para três mil devido aos protocolos de segurança devido à pandemia do novo coronavírus.

    O Mundial de Beach Soccer 2021, como também é conhecido o torneio, tem a participação de 16 seleções. Na primeira fase, os times estão divididos em quatro chaves. A Seleção Brasileira compõe o Grupo C, ao lado de Suíça, El Salvador e Belarus. Os outros cabeças de chave são Rússia, Portugal e Taiti.

    "Estão todas as seleções muito bem preparadas para esta competição. Chegaram aqui em Moscou porque desempenharam um grande trabalho. Óbvio que algumas se destacam um pouco mais", afirma em entrevista à Sputnik Brasil Rodrigo Royo, presidente da Confederação de Beach Soccer do Brasil (CBCB).
    Raimana John, do Taiti, comemora o seu gol durante a partida entre Emirados Árabes e Taiti, pela 1ª rodada do Grupo B da Copa do Mundo FIFA de Futebol de Areia 2021, no estádio Luzhniki nesta quinta-feira, 19 de agosto de 2021
    © Folhapress / Mike Kireev/DiaEsportivo
    Raimana John, do Taiti, comemora o seu gol durante a partida entre Emirados Árabes e Taiti, pela 1ª rodada do Grupo B da Copa do Mundo FIFA de Futebol de Areia 2021, no estádio Luzhniki nesta quinta-feira, 19 de agosto de 2021

    Preparação em São Petersburgo e Moscou

    O elenco brasileiro iniciou seu período de preparação em 4 de agosto, com um grupo reduzido, uma vez que muitos atletas ainda estavam defendendo seus clubes nas finais das principais competições europeias.

    Com o fim dos campeonatos e ligas europeias, o treinador Gilberto Costa finalmente pode contar com todo o elenco, que treinou nas instalações do clube BSC Kristall, na cidade de São Petersburgo, Rússia, até 16 de agosto, quando a Seleção Brasileira embarcou para Moscou, sede da competição.

    "Começamos a preparação em São Petersburgo na estrutura da Nova Arena, do time Kristall, um dos principais times do mundo no beach soccer [...]. Os treinamentos foram excelentes em São Petersburgo, a estrutura da Nova Arena é fantástica e superou as expectativas [...]. Depois viemos para Moscou, cidade que nos recebeu de braços abertos. Continuamos nossos treinamentos de forma excelente", comenta Royo.

    O Brasil estreia no Mundial de Beach Soccer 2021 na sexta-feira (20) às 14h30 (horário de Brasília) contra a Suíça. O confronto reedita a final da Copa do Mundo FIFA de Futebol de Areia de 2009. Na ocasião, a Seleção Brasileira venceu a Suíça por 10 a 5 e ficou com o título.

    Estádio Luzhniki com pôr do sol ao fundo.
    © Sputnik / Pablo Rodrigues
    Estádio Luzhniki com pôr do sol ao fundo

    Principais adversários

    Embora frise que todas as seleções podem ter um bom desempenho no torneio, o presidente da CBCB destaca que Brasil, Rússia, Portugal, Espanha e Suíça estão entre os favoritos, acrescentando que o Senegal pode surpreender.

    "A gente destaca um pouco essas seleções, mas todas, na minha opinião, têm condições de voltar para casa com o título. A Rússia hoje é mesmo uma referência no beach soccer, junto com o Brasil, com Portugal e Itália, que infelizmente não se classificou [para o mundial]. A Rússia tem uma das ligas mais fortes do mundo, tanto no masculino como no feminino. Faz um trabalho muito bom. Muitos brasileiros jogam aqui [...]. Não é à toa que [a Rússia] conquistou duas Copa do Mundo FIFA [de Futebol de Areia] e está lutando por esse título em casa."

    A Rússia foi campeã em 2011 e 2013 e ficou em terceiro lugar em 2015 e 2019.

    Falando especificamente sobre o grupo do Brasil, Rodrigo Royo fez uma análise sobre cada um dos adversários. O dirigente considera a Suíça uma equipe muito forte e acredita que El Salvador e Belarus também estão fazendo bons trabalhos.

    "O Brasil em 2009 enfrentou duas vezes a Suíça e sempre são jogos muito difíceis! A Suíça tem um excelente trabalho do treinador Angelo Schirinzi, que também é o treinador do Kristall, da Liga da Rússia, e conhece muito bem o Brasil [...]. [El Salvador] já esteve presente em outras edições da Copa do Mundo FIFA [de Futebol de Areia] e será um desafio difícil. Por último, Belarus, treinada pelo espanhol Nikos, grande nome do esporte como atleta e agora como treinador, tem um time forte", pondera.

    Dessa forma, o presidente da CBCB afirma que serão jogos muito difíceis, mas está confiante que a Seleção Brasileira fará bons jogos.

    Nestor Medina, do Paraguai, comemora o seu gol com Milciades Medina, durante partida entre Paraguai e Japão, pela primeira rodada do Grupo A da Copa do Mundo FIFA de Futebol de Areia, no estádio Luzhniki nesta quinta-feira, 19 de agosto de 2021
    © Folhapress / Mike Kireev/DiaEsportivo
    Nestor Medina, do Paraguai, comemora o seu gol com Milciades Medina, durante partida entre Paraguai e Japão, pela primeira rodada do Grupo A da Copa do Mundo FIFA de Futebol de Areia, no estádio Luzhniki nesta quinta-feira, 19 de agosto de 2021

    Nossas 'armas'

    Os jogadores da Seleção Brasileira jogam nas principais ligas do mundo e há no time estreantes na Copa do Mundo FIFA de Futebol de Areia, como o atacante Edson Hulk, e veteranos, como o goleiro Mão, que é pentacampeão mundial com a Seleção e vai em busca do hexacampeonato.

    Rodrigo Royo cita ainda Datinha, que já joga na Liga da Rússia há bastante tempo e foi eleito o melhor jogador da Rússia em alguns anos. O Catarino, "um dos melhores defensores do mundo", que também já teve passagens por clubes russos e jogou este ano na Liga de Portugal. Os atacantes Mauricinho, eleito o melhor jogador do mundo em 2017, e Rodrigo, ambos jogadores do Krystall. Além do Lucão, que também já jogou por diversos clubes da Rússia, e do Filipe, "outro jogador de grande destaque que jogou aqui na Liga da Rússia".
    Anton Shkarin, da Rússia, disputa o lance com Nicolas Perera, dos eua, durante partida entre Rússia e EUA, pela primeira rodada do Grupo A da Copa do Mundo FIFA de Futebol de Areia, no estádio Luzhniki, nesta quinta-feira, 19 de agosto de 2021
    © Folhapress / Mike Kireev/DiaEsportivo
    Anton Shkarin, da Rússia, disputa o lance com Nicolas Perera, dos EUA, durante partida entre Rússia e EUA, pela primeira rodada do Grupo A da Copa do Mundo FIFA de Futebol de Areia, no estádio Luzhniki, nesta quinta-feira, 19 de agosto de 2021

    Questionado sobre o impacto da pandemia de COVID-19 na preparação para a competição, o dirigente brasileiro afirma que a pandemia atrapalhou todo mundo, mas acredita que a Seleção fez uma preparação adequada, dentro do que era possível.

    "Os impactos da pandemia foram muito grandes no mundo todo [...]. [Mas] realmente a gente se sente muito bem aqui [em Moscou] porque os jogadores já têm muita experiência de jogar aqui na Rússia [...]. O Brasil está muito preparado e confiante na busca do hexa!", conclui.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Jacaré invade campo de futebol e bota jogadores para correr na Flórida
    Euro 2020: estádios que sediarão Campeonato Europeu de Futebol
    Jogadores da Seleção Brasileira de futebol decidem disputar Copa América
    Tóquio 2020: Brasil vence Espanha no futebol masculino e é bicampeão olímpico (FOTOS)
    Tags:
    futebol de areia, Brasil, Rússia, Suíça, Senegal, Portugal, El Salvador, beach soccer, Copa do Mundo de Beach Soccer, Moscou, São Petersburgo, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar