03:32 12 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Esportes
    URL curta
    127
    Nos siga no

    O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, disse nesta segunda-feira (19) que seu governo fará todo o possível para impedir a criação da Superliga Europeia de futebol no formato proposto pelos autores da iniciativa.

    No domingo (18), 12 dos principais clubes de futebol da Europa - Milan, Arsenal, Atlético de Madrid, Chelsea, Barcelona, ​​Inter de Milão, Juventus, Liverpool, Manchester City, Manchester United, Real Madrid e Tottenham - anunciaram oficialmente a criação da Superliga Europeia, um novo torneio de futebol de clubes no continente.

    A nova competição incluirá 20 equipes - as 15 fundadores e outras cinco equipes qualificadas para o torneio todos os anos de acordo com o desempenho na temporada anterior. Conforme o comunicado oficial, a nova liga ajudará os clubes a superar as consequências da pandemia da COVID-19, pois mostra a importância de "uma visão estratégica e uma abordagem comercial sustentável" para a manutenção do sistema futebolístico europeu.

    "Não gosto da aparência dessas propostas [...]. Vamos analisar tudo o que podemos fazer com as autoridades do futebol para garantir que não vá adiante da maneira que está sendo proposta. Não acho que seja uma boa notícia para os fãs, não acho que seja uma boa notícia para o futebol neste país", disse Johnson a repórteres nesta segunda-feira (19).
    O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, durante entrevista coletiva.
    © AP Photo / Leon Neal
    O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, durante entrevista coletiva.

    O anúncio foi recebido com críticas generalizadas, não só por parte das lideranças da FIFA e da UEFA, como também das associações nacionais de futebol dos países europeus. Os críticos acreditam que a iniciativa pode ter um impacto negativo sobre clubes menos conhecidos e que não sejam ricos e, assim, dificultar a popularização do futebol.

    "Esses clubes não são apenas grandes marcas globais - é claro que são grandes marcas globais - são também clubes que se originaram historicamente de suas cidades, de suas comunidades locais. Eles devem ter um vínculo com esses fãs, e com a base de fãs em sua comunidade. Portanto, é muito, muito importante que continue assim", acrescentou Johnson.

    Mais:

    Variante britânica do novo coronavírus aponta para uma maior mortalidade, afirma Boris Johnson
    Boris Johnson é criticado por corte de ajuda ao Iêmen enquanto vende armas para sauditas
    Após pedido grego, Boris Johnson afirma que os mármores do Partenon pertencem ao Reino Unido
    Tags:
    Reino Unido, UEFA, Boris Johnson
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar