10:52 25 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Lionel Messi

    Daesh publica imagem perturbadora de Messi com ameaças de ataque à Copa de 2018

    © AFP 2019 / Alfredo Estrella
    Esportes
    URL curta
    427

    Embora faltem mais de 7 meses até a Copa de 2018 na Rússia, o Daesh, a organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países, já ameaçou realizar ataques terroristas no país eslavo.

    Um grupo de mídias pró-Daesh lançou um cartaz no qual utilizou uma imagem falsificada do craque argentino Lionel Messi para promover a realização de ataques terroristas no Campeonato Mundial de Futebol em 2018.

    A aeronave da Força Aerospacial da Rússia na base aérea em Hmeymim, Síria (foto de arquivo)
    © Sputnik / Ministério da Defesa da Rússia
    O cartaz retrata Messi atrás das grades chorando sangue, junto às palavras em inglês e em árabe: "Estão lutando contra um Estado que não tem a palavra 'fracasso' em seu dicionário."

    Os terroristas estão utilizando o famoso slogan da empresa Nike "Just Do It" ("Faça simplesmente", em português), mudando as palavras para "Just Terrorism" ("Apenas terrorismo").

    Mídias próximas à organização jihadista já publicaram ameaças sobre as atividades terroristas que pretende realizar em Moscou em junho de 2018.

    O cartaz anterior mostrava o logotipo da Copa explodindo, junto a frases ameaçadoras, tais como "Somos nós que escolhemos o campo de batalha" e "Juro para você que o fogo dos mujahidin lhe queimará, basta esperar".

    O Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB, na sigla em russo), por sua vez, excluiu a possibilidade de ameaças diretas à segurança durante a Copa de 2018 que o país sediará.

    Mais:

    Coalizão liderada pelos EUA impede acabar com Daesh na Síria, diz especialista
    EUA eliminam a 'Viúva Branca' que aderiu ao Daesh, diz mídia
    Conheça a história dos marinheiros que salvaram Iugoslávia e hoje lutam contra Daesh
    Tags:
    futebol, terrorismo, Copa 2018, Daesh, Lionel Messi, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar