06:21 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Escultura de símbolo paralímpico é inaugurada em Copacabana

    Veteranos de guerra são estrelas dos Jogos Paralímpicos Rio 2016

    Tânia Rêgo/Agência Brasil
    Esportes
    URL curta
    Paralimpíadas Rio 2016 (16)
    1 0 0

    As cicatrizes da guerra mudam para sempre a vida de quem delas participa. É o caso dos 27 atletas presentes nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro que ingressaram no esporte depois de serem feridos em campos de batalha ao redor do mundo.

    No total, há oito países com veteranos em suas delegações paralímpicas. Os EUA, com dez atletas, são seguidos por Grã-Bretanha, Israel e Bósnia-Herzegovina, com quatro cada, depois pelo Sri Lanka, com três, e enfim por Turquia, Austrália e Holanda, cada um contando com um atleta paralímpico veterano de guerra. Pessoas feridas por tiros, carros-bombas, mísseis, granadas e minas terrestres.

    As guerras no Iraque e no Afeganistão são responsáveis por boa parte dos atletas que competem hoje no Rio: 16 dos 27 veteranos foram aleijados nesses conflitos, de acordo com dados divulgados pelo comitê organizador da Rio 2016.

    O ciclista norte-americano Alfredo de los Santos, por exemplo, perdeu a perna esquerda no Afeganistão em 2008, quando o veículo blindado em que viajava foi atacado por um lançador de foguetes.

    Também no Afeganistão, o remador inglês Nick Beighton perdeu as duas pernas, e a holandesa Jaaike Brandsma, da equipe de voleibol sentado, perdeu uma perna, sofreu lesões em um braço e ficou parcialmente surda após um ataque realizado por um suicida que se explodiu abraçado em uma bomba.

    ​As guerras mais recentes, porém, não são as únicas que têm gerado competidores para as Paraolimpíadas. Três dos quatro israelenses na lista, por exemplo, ficaram feridos no conflito entre Israel e Líbano, cujas primeiras hostilidades remontam à década de 1960.

    Da mesma forma, os quatro jogadores de voleibol sentado da Bósnia-Herzegovina vêm da guerra da década de 1990, e o atleta turco de tiro Muharrem Yamaç serviu o Exército durante a revolta curda no país nos anos 1980 e 1990.

    Tema:
    Paralimpíadas Rio 2016 (16)

    Mais:

    Bandeira da Rússia na abertura das Paralimpíadas incomoda mídia ocidental
    Abertura das Paralimpíadas emociona público no Maracanã
    Tags:
    veteranos de guerra, atletas paralímpicos, Rio 2016, Jogos Paralímpicos, Paralimpíadas, Muharrem Yamaç, Jaaike Brandsma, Nick Beighton, Alfredo de los Santos, Turquia, Bósnia, Afeganistão, Iraque, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik