02:53 22 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Policiais de UPP’s do Rio de Janeiro, durante treinamento de abordagem, patrulha, autoproteção, armamento e primeiros socorros

    Anistia denuncia aumento da violência policial no Rio

    Tânia Rêgo/ Agência Brasil
    Esportes
    URL curta
    Rio 2016 (253)
    113
    Nos siga no

    Desde o início de abril, pelo menos 11 pessoas foram mortas pela polícia no Rio de Janeiro. A informação é da Anistia Internacional, segundo relata a Agência Brasil.

    A Anistia Internacional chama atenção para violência policial e violação dos direitos humanos nas favelas no marco dos 100 dias para o início dos Jogos Olímpicos Rio 2016.

    Segundo o diretor executivo da Anistia Internacional Brasil, Atila Roque, em 2015, somente na capital houve 307 mortes causadas por policiais em serviço, o que corresponde a um em cada cinco homicídios cometidos na cidade.

    “Esse é um ponto central do relatório ‘Você Matou Meu Filho’, que a gente publicou ano passado. Não é aceitável a essa altura, passados praticamente 30 anos de democracia, que um estado e uma cidade com a importância do Rio de Janeiro continuem a lidar com os números, as questões e os problemas de violações de direitos humanos por parte da polícia como a gente continua vendo.”

    Roque destacou a realidade da violência policial nas abordagens, que se tornou costumeira na vida dos jovens de territórios em risco. 

    “Isso contribui para uma cultura de absoluto descrédito daquela comunidade no papel da polícia como agente promotor de direitos e garantidor da ordem e da lei”.

     

    Tema:
    Rio 2016 (253)

    Mais:

    Polícia acha sacos com documentos destruídos no escritório da Mossack Fonseca
    Polícia define com manifestantes regras de segurança para domingo
    Polícia reprime estudantes com bombas de gás no centro de São Paulo
    Tags:
    aumento, violência policial, Anistia Internacional, Polícia Militar, Brasil, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar