03:55 28 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Esportes
    URL curta
    0 01
    Nos siga no

    A Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) rejeitou, nesta quinta-feira, o recurso de Musa Bility para anular a sua exclusão da eleição presidencial da FIFA. O liberiano foi retirado da relação de candidatos após não ser aprovado na verificação de integridade.

    Assim, o Comitê Eleitoral da FIFA tornou, no mês passado, o presidente da Federação Liberiana de Futebol inelegível. A comissão não explicou publicamente as razões, mas Bility declarou que uma acusação criminosa anterior contra ele foi rejeitada por um tribunal liberiano. A CAS avisou que vai apresentar os fundamentos da sua decisão no início de 2016. 

    A FIFA aprovou cinco candidaturas para a eleição presidencial, marcada para 26 de fevereiro de 2016: o príncipe jordaniano Ali Bin Al Hussein; o bareinita Sheikh Salman Bin Ebrahim Al Khalifa, que preside a Confederação Asiática de Futebol; o francês Jérome Champagne; o suíço Ganni Infantino, secretário-geral da UEFA; e o empresário sul-africano Tokyo Sexwale.

    Michel Platini, que foi suspenso por oito anos pela entidade, mantém o desejo de participar da votação e deve entrar com um recurso na CAS contra a punição para tentar se tornar elegível. 

    A eleição vai definir o substituto de Joseph Blatter, que está afastado da presidência da FIFA e também foi suspenso por oito anos. Atualmente, a entidade é comandada provisoriamente pelo camaronês Issa Hayatou.

    Mais:

    Cinco candidatos são aprovados para concorrer à presidência da FIFA
    Comitê de Ética da FIFA suspende Blatter, Valcke e Platini do futebol por 90 dias
    Coca-Cola e McDonald's pedem que Blatter deixe a FIFA 'imediatamente'
    FIFA bane ex-vice-presidente de atividades relacionadas ao futebol
    FIFA entrega e-mails de Valcke à Justiça suíça para investigação
    Tags:
    recurso, eleições, Corte Arbitral do Esporte, FIFA, Joseph Blatter, Michel Platini, Musa Bility, Libéria, Zurique
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar