00:51 29 Junho 2017
Ouvir Rádio
    Valentin Balakhnichev, tesoureiro da IAAF.

    IAAF deve inocentar a Rússia de acusação de doping sistêmico

    © Sputnik/ Grigoriy Sisoev
    Esportes
    URL curta
    0 17130

    O tesoureiro da Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF), Valentin Balakhnichev, disse que a Rússia recebeu sinais de organismos internacionais esportivos de que o país deve ser inocentado das acusações de ter um esquema de doping sistemático.

    Um documentário exibido na televisão alemã em dezembro acusou a Federação de Atletismo da Rússia, então presidida por Balakhnichev, o Ministério do Esporte do país e suas autoridades antidoping de participarem de um organizado programa de doping.

    Esse documentário, baseado principalmente no depoimento de Vitaly Stepanov, ex-funcionário da agência antidoping da Rússia, e da sua esposa Yulia Stepanova, uma atleta, levou a abertura de investigações pela IAAF e também pela Agência Mundial Antidoping que ainda estão em curso. 

    "A investigação da IAAF ainda não está finalizada, mas colegas em organizações internacionais estão nos apoiando, e respeitam o parecer de que não havia nenhuma verdade nas 'declarações' dos Stepanov", disse Balakhnichev. O dirigente também criticou o denunciante, pois o que ele disse foi "propaganda anti-Rússia". 

    Voluntariamente, Balakhnichev se afastou de suas funções como tesoureiro e membro do conselho da IAAF durante o período do inquérito do comitê de ética da entidade. O documentário alemão alegou que ele estava ligado a um pagamento feito por uma maratonista russa, Liliya Shobukhova, supostamente por encobrir um resultado positivo de um exame antidoping. 

    Balakhnichev renunciou no mês passado à presidência da Federação Russa de Atletismo após 24 anos no cargo.

     

    Estadão Conteúdo

    Tags:
    culpa, inocência, investigação, doping, Agência Mundial Antidoping, IAAF, Llliya Shobukhova, Yulia Stepanova, Vitaly Stepanov, Valentin Balakhnichev, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik