Bandeira do PT em manifestação de apoio ao partido, em 16 de agosto de 2015

Irmão de Ciro Gomes chama petistas de 'babacas' e diz que 'PT vai perder' (VÍDEO)

© AFP 2018 / Miguel Schincariol
Eleições 2018
URL curta
10107

Ex-governador do Ceará e irmão do presidenciável Ciro Gomes, o senador eleito Cid Gomes (PDT-CE) criticou petistas, chamando-os de "babacas" ao ser hostilizado quando pediu, em um evento em apoio a Fernando Haddad, que o PT faça um "mea culpa".

A saia justa começou quando Cid Gomes, que discursava, pediu que os petistas admitissem os erros que cometeram quando esteve no comando do país.

Em meio a reações diversas, o irmão de Ciro Gomes – que foi ministro da ex-presidente petista Dilma Rousseff – foi além ao afirmar que o adversário de Haddad no segundo turno, Jair Bolsonaro (PSL), é uma criação do PT e seus erros.

Vaiado, Cid Gomes não desceu o tom e afirmou que "esse PT vai perder feio" as eleições, e que isso será muito "bem feito" porque fez "muita besteira".

O governador reeleito no Ceará, Camilo Santana (PT), estava ao lado de Cid Gomes e tentou acalmá-lo, mas o pedetista ainda chamou quem o criticava de "babaca", afirmando aos que puxavam um coro pró-Lula que ele "está preso" e nada poderia fazer.

O evento visava aproximar Haddad do clã dos Gomes no Ceará. Mas acaba sendo mais um banho de água fria, após Ciro Gomes declarar um "apoio crítico", sem explicitar apoio ao presidenciável petista, preferindo se dizer contra Bolsonaro.

Ciro viajou em seguida para fora do país, em um movimento que divide opiniões nos setores da esquerda.

Mais:

Haddad ataca Bolsonaro: 'eu sou professor, não capitão expulso do Exército'
Haddad sobre Bolsonaro: 'Não tem qualificação nem para ser vereador'
Especialista em milícias comenta plano de segurança pública de Bolsonaro e Haddad
Tags:
esquerda, críticas, mea culpa, política, Eleições 2018, PDT, PT, Camilo Santana, Luiz Inácio Lula da Silva, Fernando Haddad, Ciro Gomes, Cid Gomes, Ceará, Fortaleza, Brasil
Padrões da comunidadeDiscussão
Comentar no FacebookComentar na Sputnik