Bandeira do Brasil vista em 9 de junho de 2017 em Brasília

'Brasil está sob grave risco de um 2º golpe com estética militar', diz cientista política

© AP Photo / Eraldo Peres
Eleições 2018
URL curta
16085303

Os resultados das urnas neste domingo mostram a eleição de um Congresso majoritariamente conservador e a queda de figuras conhecidas da ala progressista, como Dilma Rousseff em Minas Gerais. Para a cientista política e professora da Unirio, Clarisse Gurgel, números mostram um Brasil sob risco de golpe.

Os números das pesquisas de intenção de voto erraram diversos resultados em várias regiões do país. Exemplos não faltaram: em Minas Gerais, Dilma ficou fora do Senado registrando 15,17% com 97% das urnas apuradas. Ela liderava a disputa, mas foi ultrapassada pelo líder Rodrigo Pacheco (20,6%) e Carlos Viana (20,29%), ambos com perfil conservador. Fernando Pimentel (PT), que tentava a reeleição em Minas, também está fora do 2º turno que surpreendentemente contará com Romeu Zema do Novo, registrando uma diferença de 21 pontos em relação às pesquisas e chegando a 43,05%. Antônio Anastasia vem logo atrás, com 29,04%. 

Eduardo Suplicy mais uma vez ficou de fora do Senado em São Paulo, nas eleições vencidas por Major Olímpio (25,81%) e Mara Gabrilli (18,60%). Já no Rio, o ex-juiz federal Wilson Witzel despontou isolado na disputa pelo governo do estado, com 41,25%. Eduardo Paes, o então favorito, registrou 19,31%.

Tantos números confirmam uma forte guinada à direita em todos os âmbitos de poder no país.

"O eleitorado brasileiro demonstrou que o referencial dele é um imaginário carente de acúmulo político, pegando carona em um discurso de mudança que se solidifica com o vocabulário de Jair Bolsonaro. Isso pode parecer positivo do ponto de vista de mudança, mas denuncia a opção por candidatos que incorporam o perfil mais caricato possível. Mostra uma população com orientação conservadora, mas um conservadorismo muito mais moral que econômico", analisa.

Para a cientista política, os números denotam que o brasileiro optou por algo que ela analisa faltar em Dilma ou Temer: carisma. "Esse eleitor foi ganho por figuras esdrúxulas".

Risco de golpe?

Diante dos números, Clarisse é categórica: ainda que vença Bolsonaro no segundo turno, Fernando Haddad só assumirá a presidência por meio "de um acordo com o capital e impondo uma pauta neoliberal e conservadora".

"Pra mim, o Brasil está sob grave risco de um segundo golpe, desta vez não por articulação parlamentar, mas por meio de uma ação com estética militar à semelhança de 1964. O país que emerge hoje pelo voto é muito semelhante ao 18 de Brumário de Luís Bonaparte mencionado por Karl Marx: próximo de ser governado por uma figura caricata e sem conteúdo político", afirma.

Com o prospecto do segundo turno, a professora acredita que Haddad dificilmente conseguiria garantir uma agenda progressista. "O que nos restará vai ser manter a articulação, garantir o direito de reunião, de livre pensamento e seguir na luta", completa.

Tags:
Partido Social Liberal (PSL), Senado, PT, Mara Gabrilli, Wilson Witzel, Romeu Zema, Carlos Viana, Clarisse Gurgel, Rodrigo Pacheco, Major Olímpio, Jair Bolsonaro, Eduardo Paes, Fernando Haddad, Dilma Rousseff, Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro
Padrões da comunidadeDiscussão
Comentar no FacebookComentar na Sputnik