Levy Fidelix, presidente do PRTB

'Pretensão natural': pai do Aerotrem quer ser o presidente da Câmara de Bolsonaro

© Foto : Alexandra Martins / Câmara dos Deputados
Eleições 2018
URL curta
824

Ex-presidenciável e presidente do PRTB, partido do vice de Jair Bolsonaro (PSL), Levy Fidelix confirmou que quer ser o presidente da Câmara dos Deputados, caso o ex-capitão do Exército vença as eleições presidenciais deste ano no Brasil.

Há dois dias, em um evento da Associação Brasileira da Infraestrutura e da Indústria de Base (Abdib), o General Mourão, vice na chapa de Bolsonaro, sugeriu que Fidelix seria um bom nome para comandar a Câmara Baixa brasileira a partir de 2019, em um eventual governo do candidato do PSL.

À Sputnik Brasil, Fidelix – que ficou conhecido no passado pela proposta do Aerotrem e por declarações homofóbicas – destacou que tem sim a vontade de presidir a Casa, um local no qual o presidente do PRTB garantiu ter "inúmeros deputados amigos".

"Confirmo a pretensão, na medida em que puder unir a situação a ser eleita e vários segmentos da oposição, onde possuo inúmeros deputados amigos, aos quais requerirei apoio pessoal à minha candidatura e presidência daquela Casa", afirmou.

Fidelix ainda afirmou que sua pretensão "é pessoal e não impositiva" e que "dependerá dos resultados das urnas e de uma votação expressiva". "Serei um postulante natural apenas", completou o pai do Aerotrem.

Entretanto, a ideia pode ter vida curta. Candidato a deputado federal, Fidelix precisa primeiro conseguir se eleger para uma das 513 cadeiras da Câmara e, mesmo que isso aconteça em 7 de outubro, ele terá de enfrentar nomes mais fortes para o cargo.

Também candidato a um novo mandato, o deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ) é considerado o favorito a presidir a Câmara dos Deputados, como o fez nos últimos dois anos.

Há duas semanas, o economista Paulo Guedes informou, em entrevista ao jornal O Globo, que teria conversado com Maia, ao qual levou uma ideia sobre votações no Legislativo federal em um eventual governo Bolsonaro.

O "Posto Ipiranga" do ex-capitão do Exército indicou haver um acordo para obter o apoio de Maia e do DEM, algo que foi negado prontamente pelo parlamentar fluminense.

Jair Bolsonaro
© Foto : Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Contudo, a legenda já tem um pé na campanha de Bolsonaro, já que o deputado federal Ônix Lorenzoni (DEM-RS) é um dos principais assessores do presidenciável do PSL e favorito a ser o ministro da Casa Civil em um futuro governo.

Além do DEM, há uma expectativa na campanha bolsonarista que ele terá o apoio da maioria dos parlamentares que compõem o “Centrão”, principal base do deputado cassado Eduardo Cunha (MDB-RJ) – hoje preso em Curitiba – quando presidia a Câmara.

Até o momento, a Bancada Ruralista (com mais de 200 deputados) e os líderes da Bancada da Bala e da Bíblica já declararam apoio a Bolsonaro.

Mais:

Datafolha: Bolsonaro chega a 39% dos votos válidos e se aproxima de vitória no 1° turno
Fabricante de armas vê suas ações subirem após alta de Bolsonaro nas pesquisas
Como será relação russa com Brasil caso Bolsonaro seja presidente?
Tags:
política, Eleições 2018, Partido Social Liberal (PSL), PRTB, Abdib, Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, Paulo Guedes, Onyx Lorenzoni, Levy Fidelix, General Mourão, Antônio Hamilton de Martins Mourão, Jair Bolsonaro, Brasil
Padrões da comunidadeDiscussão
Comentar no FacebookComentar na Sputnik