Cunha ameacas

Moro adia depoimento de Eduardo Cunha para depois das eleições

Wilson Dias/Agência Brasil
Eleições 2018
URL curta
807

O interrogatório estava previsto para acontecer nesta quarta-feira (3), porém foi adiado para o dia 31 de outubro, após o segundo turno das eleições de 2018.

O adiamento foi um pedido da defesa de Cunha, que alegou que o interrogatório poderia interferir na campanha da filha do ex-deputado federal, Danielle Cunha, que concorre a uma vaga na Câmara dos Deputados. Também foi apontado que há questionamentos sobre a perícia no celular de Eduardo Cunha que ainda não haviam sido entregues à defesa.

Moro acatou o pedido para que o depoimento fosse adiado para depois da campanha eleitoral. A decisão foi tomada na segunda-feira (1).

Neste processo, Cunha é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro em contratos de fornecimento de navios-sonda da Petrobrás.

Eduardo Cunha já foi condenado por Moro na Lava Jato a 15 anos e 4 meses de prisão. A pena, no entanto, foi reduzida pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) para 14 anos e 6 meses de prisão.

O ex-deputado federal pelo MDB cumpre pena desde 2016 no Complexo Médico-Penal de Pinhais, em Curitiba.

Mais:

Cunha: 'Compra do meu silêncio pela JBS foi forjada para derrubar Temer'
Moro se considera um salvador da pátria, diz Eduardo Cunha em entrevista
Foi golpe? Ao lado de Cunha, Temer tramou queda de Dilma 'diariamente', diz Funaro
Exclusivo: Sputnik conversou com o escritor que incomodou Eduardo Cunha
Tags:
Operação Lava Jato, eleições 2018, Operação Lava Jato, Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF), Sérgio Moro, Danielle Cunha, Eduardo Cunha, Brasil
Padrões da comunidadeDiscussão
Comentar no FacebookComentar na Sputnik