Jair Bolsonaro

Filho de Bolsonaro divulga imagem de simulação de tortura e causa polêmica (FOTO)

© Foto : Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Eleições 2018
URL curta
36751

Filho do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), o vereador Carlos Bolsonaro usou as suas redes sociais nesta quarta-feira para postar a imagem de uma simulação de tortura, com um homem amarrado, ensanguentado, asfixiado e com a cabeça dentro de um saco plástico.

Além disso, no peito do homem constava a hashtag #EleNão, que vem sendo utilizada por mulheres e grupos da sociedade civil que fazem oposição à candidatura do ex-capitão do Exército.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, a imagem foi postada na ferramenta Stories da rede social Instagram, cujas postagens desaparecem automaticamente depois de 24 horas.

Na polêmica foto ainda consta uma frase "sobre pais que choram no chuveiro", em uma referência de pais que sentem vergonha de seus filhos por serem homossexuais. Na sequência, a foto publicada na mesma rede social do vereador é uma de seu pai com a hashtag #EleSim.

A polêmica rapidamente se instalou nas redes sociais por uma suposta apologia à tortura por parte de Carlos Bolsonaro, acusação que já recaiu no passado sobre o próprio Jair Bolsonaro no passado – sobretudo depois da homenagem feita por ele ao torturador Carlos Alberto Brilhante Ustra, durante a votação do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

Pelo Twitter, Carlos Bolsonaro negou qualquer apologia à tortura, chamando seus críticos de "canalhas".

A semana tem sido turbulenta para a campanha do presidenciável do PSL. Depois do episódio envolvendo uma suposta ameaça de morte contra sua segunda mulher, Bolsonaro enfrentará uma série de manifestações contra ele neste fim de semana em todo o Brasil e em pelo menos 10 países, todas com o mote "Ele Não".

Mais:

Ex-mulher de Bolsonaro pediu asilo político após dizer que político a ameaçou de morte
No Rio, organizadora do grupo 'Mulheres Contra Bolsonaro' é agredida
Ibope: Bolsonaro segue na liderança com 28% e Haddad chega a 22%
Tags:
direitos humanos, política, tortura, EleNão, Eleições 2018, Partido Social Liberal (PSL), Carlos Bolsonaro, Jair Bolsonaro, Brasil
Padrões da comunidadeDiscussão
Comentar no FacebookComentar na Sputnik