06:14 16 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    215
    Nos siga no

    Os carros totalmente elétricos vão representar 40% da produção da Ford até o ano de 2030, anunciou a empresa nesta quarta-feira (26). 

    A montadora vem aumentando cada vez mais seus investimentos no setor, com objetivo de aumentar o número de veículos sustentáveis nas ruas e diminuir a emissão de gases poluentes

    Os gastos com veículos, componentes e infraestrutura elétrica aumentará para mais de US$ 30 bilhões (cerca de R$ 159 bilhões) até 2025, aumentando o valor estabelecido anteriormente, que era de US$ 22 bilhões (aproximadamente R$ 117 bilhões).

    "Essa é nossa maior oportunidade de criação de valor desde que Henry Ford começou a fabricar o Modelo T, e estamos agarrando isso com as duas mãos", disse o CEO da Ford, Jim Farley, em um comunicado, segundo a agência AFP.

    Na semana passada, a empresa revelou a versão elétrica da caminhonete F-150. Segundo a Ford, 70 mil unidades do veículo foram encomendadas. Além disso, a montadora começou a vender o utilitário Mustang Match-E e, em breve, apresentará a van E-Transit, ambos veículos elétricos.

    A Ford também está investindo na produção de baterias próprias e anunciou uma parceria com a empresa norte-coreana SK Innovation. A meta é reduzir o preço do equipamento em 40% até 2025. 

    As principais montadoras do mundo vêm anunciando planos para aumento da produção de carros elétricos. A General Mortos disse que até 2035 vai parar de fabricar veículos movidos a diesel ou gasolina. A Volkswagen, por sua vez, espera ter 70 modelos elétricos à disposição até 2030 e vender 26 milhões de unidades em 10 anos.

    Mais:

    Após deixar o Brasil, Ford anuncia investimento de US$ 1 bilhão na África do Sul
    Justiça do Trabalho proíbe demissão de funcionários da Ford no Brasil
    Após saída da Ford, Chevrolet suspende produção: montadoras em crise?
    Tags:
    Volkswagen, General Motors, montadoras, sustentabilidade, gasolina, Ford
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar