07:31 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    0 122
    Nos siga no

    O estrategista de commodities do Bank of America, Michael Widmer, destacou que os estoques medidos em toneladas estão agora nos níveis vistos 15 anos atrás.

    Dados os estoques esgotados e o ambiente fundamental, Widmer disse que o cobre pode subir para US$ 13.000 (R$ 67,5 mil) por tonelada nos próximos anos, após recentemente ter atingido US$ 10.000 (R$ 52 mil) pela primeira vez em uma década. David Neuhauser, fundador e diretor-gerente do fundo hedge dos EUA Livermore Partners, disse à CNBC que o cobre é "o novo petróleo".

    O mundo corre o risco de "ficar sem cobre" em meio ao aumento dos déficits de oferta e demanda, de acordo com o Bank of America, e os preços podem chegar a US$ 20 mil (mais de R$ 104 mil) por tonelada métrica em 2025.

    O estrategista de commodities do Bank of America, Michael Widmer, disse na semana passada que os estoques de cobre medidos em toneladas estão agora nos níveis observados há 15 anos, o que implica que cobrem pouco mais de três semanas de demanda.

    Isso ocorre em um momento em que a economia global está começando a se abrir e se reabrir. "Ligado a isso, prevemos déficits do mercado de cobre e novas quedas de estoque neste ano e no próximo […] há um risco de retrocesso, impulsionado por uma alta nos preços próximos, pode aumentar", disse Widmer.

    Backwardation é quando um ativo subjacente é negociado a um preço mais alto do que o mercado futuro para aquele ativo. Widmer também destacou que um aumento na volatilidade resultante da queda dos estoques não era sem precedentes, uma vez que a escassez de níquel nos armazéns da LME em 2006 e 2007 elevou os preços do níquel para mais de 300%.

    Após os déficits em 2021 e 2022, o Bank of America espera que o mercado de cobre se reequilibre em 2023 e 2024 antes de novas quedas, e uma nova redução nos estoques a partir de 2025.

    "Em nossa opinião, o fornecimento de sucata é crítico e nossa análise sugere que o uso de sucata em fundições e refinarias pode aumentar de cerca de 4.200 toneladas em 2016 para 6.700 toneladas até 2025", previu Widmer.

    Mina de cobre (imagem referencial)
    © Sputnik / Pavel Lisitsyn
    Mina de cobre (imagem referencial)

    'O novo petróleo'

    Junto com a recuperação econômica mais ampla, a demanda do cobre também está sendo impulsionada por seu papel vital em uma série de setores industriais de rápido crescimento, como baterias de veículos elétricos e fiação de semicondutores.

    David Neuhauser, fundador e diretor administrativo do fundo de hedge dos EUA Livermore Partners, disse à CNBC que os metais estavam recebendo um vento a favor de um dólar mais fraco e movimentos crescentes em direção à infraestrutura verde.

    Os preços das commodities subiram 3% em abril, levando o índice global a subir 80% desde abril de 2020. "Acho que o cobre é o novo petróleo e acho que o cobre, nos próximos cinco a dez anos, parecerá tremendo com o potencial de US$ 20 mil [mais de R$ 104 mil na cotação atual] por tonelada métrica", considerou Neuhauser.

    Mais:

    China aumenta importações de petróleo do Irã e Venezuela e desafia EUA, diz mídia norte-americana
    Preço do petróleo tem aumento de 5% após cargueiro gigante encalhar no canal de Suez
    Ouro perdendo valor? Analistas comentam possíveis efeitos da inflação no metal precioso
    Tags:
    cobre, metal, petróleo, Bank of America, elevação, preços
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar