21:06 14 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    276
    Nos siga no

    Stephen Isaacs, presidente do comitê de investimento da empresa de consultoria Alvine Capital, crê que o bitcoin inevitavelmente deixará de ser viável, inclusive devido à lavagem de dinheiro.

    O fim do bitcoin é inevitável, disse Stephen Isaacs, consultor de investimentos, à emissora CNBC, dando duas razões que estariam por trás da futura queda da moeda criptográfica mais popular.

    De acordo com Isaacs, a regulamentação governamental e os riscos ambientais são dois fatores-chave que representam riscos para as criptomoedas, acrescentando que as moedas digitais não têm fundamentos.

    "Não sei onde vai acabar, ou como vai acabar, mas vai acabar", disse o presidente do comitê de investimento da empresa de consultoria Alvine Capital, com sede em Londres, Reino Unido.

    "E quando terminar, vai ser feio, porque não haverá nada lá."

    O preço do bitcoin caiu 17% durante o último fim de semana, após um crescimento explosivo que culminou em um recorde histórico de US$ 64.000 (R$ 356.467,20), em meio a um relatório não confirmado de que o Tesouro dos EUA poderia em breve reprimir as instituições financeiras que usam ativos digitais para lavar dinheiro.

    Isaacs disse que o que aconteceu durante o fim de semana foi apenas um "sinal" do "que poderia acontecer se a regulamentação chegasse a este produto".

    "É quase uma vítima de seu próprio sucesso, que se este produto permite a transferência de grandes quantidades de dinheiro entre indivíduos que têm total anonimato, ele vai contra toda uma geração de regulamentação", opinou.

    Bitcoin é baseado em tecnologia de blockchain, que garante a segurança de suas transações. A criptomoeda, no entanto, não pode ser considerada completamente anônima, uma vez que a tecnologia que usa também implica que cada transação ficará para sempre inscrita nela, o que possivelmente poderia representar um risco à privacidade.

    Os componentes do bitcoin, tais como endereços, chaves públicas e privadas e transações, são todos lidos em cadeias de texto que não podem ser diretamente ligadas à identidade pessoal de ninguém, tornando a criptomoeda anônima para os usuários até certo ponto.

    Isaacs também defendeu que o bitcoin é um "produto muito sujo, e está ficando mais sujo a cada minuto, porque a quantidade de energia necessária para minerar o fornecimento adicional está aumentando" e que o consumo de energia da criptomoeda seria outro fator que a mataria "se alguém estiver levando a sério a mudança climática".

    Natureza da moeda digital

    O processo de mineração de bitcoin depende de computadores correndo para resolver um problema matemático para cada transação. Quem o resolver primeiro e verificar a transação mina uma nova moeda. Como um número crescente de pessoas e computadores em rápido avanço tecnológico tentam decifrá-los ao redor do mundo, a solução dessas equações está se tornando mais competitiva e difícil.

    O número de moedas disponível para mineração está limitado a 21 milhões, sendo que 18 milhões de bitcoins já foram extraídos até fevereiro de 2021.

    Lançado no início de 2009, o bitcoin é a maior moeda criptográfica mundial por capitalização de mercado e quantidade de dados armazenados em sua blockchain.

    Mais:

    Como bitcoin poderia ser afetado ante crescimento do yuan digital chinês?
    Em cruzada contra o dólar, China propõe regulamentar moedas digitais para enfraquecer os EUA
    Valorização do bitcoin pode estar aumentando interesse no yuan digital, diz Banco Popular da China
    'Britcoin'? Reino Unido considera criar moeda digital para desafiar bitcoin e outras criptomoedas
    Tags:
    CNBC, Reino Unido, Londres, Departamento do Tesouro dos EUA, Bitcoin
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar