12:51 11 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    Situação da COVID-19 em meados de abril no Brasil (74)
    3123
    Nos siga no

    A economia brasileira já vinha registrando números ruins antes da eclosão da pandemia do novo coronavírus, e o caminho da recuperação para o país passa pela execução de reformas, segundo economista ouvido pela Sputnik Brasil.

    Os indicadores compostos avançados da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) para o mês de março mostram que o Brasil é a única grande economia mundial que aparece com desaceleração. Segundo a organização, há um "abrandamento do crescimento" da economia brasileira.

    O economista Mauro Rochlin, professor dos cursos de MBA da Fundação Getúlio Vargas (FGV), diz que, para entender o atual cenário, é preciso olhar também para o que estava ocorrendo no país antes da pandemia da COVID-19.

    "O país vinha de três anos de baixíssimo crescimento econômico e de um trimestre de crescimento negativo, ou seja, a gente não pode falar que a economia brasileira era uma economia pujante que desfrutava de um dinamismo maior", destacou.

    O sistema de indicadores compostos avançados da OCDE é elaborado para tentar sinalizar com antecedência os pontos de virada do ciclo econômico. Ao contrário dos outros países, os números do Brasil em março caíram 0,32 ponto em comparação com o mês anterior, na única nota negativa entre as maiores economias monitoradas pela OCDE.

    A classificação da OCDE funciona da seguinte maneira: na chamada "expansão", o indicador aumenta e fica acima dos 100 pontos; na "inflexão" o indicador diminui, mas continua acima de 100; na "desaceleração", há uma baixa para menos de 100; e na "retomada", o indicador aumenta, mas ainda fica abaixo de 100.

    Atualmente, o Brasil soma 103,1 pontos, o que significa que a economia brasileira continua em rota de crescimento, mas que a tendência é de ritmo menor.

    ​Segundo Mauro Rochlin, para o Brasil mudar essa tendência e recuperar o progresso econômico, é preciso que o país vá na "raiz do problema" ao invés de apenas olhar para os danos causados pela pandemia.

    "As questões são mais profundas, dizem respeito à infraestrutura, à necessidade de reformas, dizem respeito a uma remodelagem do sistema administrativo e tributário", explicou.

    Para o especialista, o Brasil precisa aprovar reformas que não causem danos sociais no país e ajudem a retomar o crescimento sustentável.

    "Olhando de forma bem objetiva para o que o Brasil precisa dispor para poder pensar em um crescimento mais intenso está a reforma administrativa, que pode reduzir o peso do Estado sem maiores ônus em termos sociais. E uma reforma tributária que faça pesar sobre aqueles que tem maior capacidade contributiva a carga que hoje o Estado é obrigado a carregar", defendeu.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Situação da COVID-19 em meados de abril no Brasil (74)

    Mais:

    França suspende todos os voos do Brasil devido à COVID-19
    Decidido: CPI da Pandemia não pode investigar governos e prefeituras
    Brasil tem 1,5 milhão de pessoas com a 2ª dose da vacina contra a COVID-19 atrasada
    Lewandowski determina que Anvisa decida até o fim deste mês sobre importação da Sputnik V
    Como Bolsonaro pode sancionar orçamento sem cometer crime de responsabilidade?
    Presidente do Senado oficializa criação da CPI da Pandemia para investigar governo federal
    Tags:
    reforma fiscal, reforma tributária, reformas, indicadores econômicos, Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), economia, pandemia, novo coronavírus, Brasil, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar