13:04 16 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    274
    Nos siga no

    O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (7) que não vai interferir na Petrobras, mas que pode mudar a "política de preços" de combustíveis da estatal com o apoio da Câmara dos Deputados.

    Bolsonaro criticou os reajustes nos preços e disse ser "inadmissível" o aumento no gás natural anunciado pela Petrobras. As informações foram publicadas pelo portal G1.

    "É inadmissível anunciar o reajuste de 39% do gás [natural]. Que acordos foram esses? Que contratos são esses? Foram feitos pensando no Brasil pelo período de três meses. Não vou interferir. A imprensa vai dizer o contrário. Mas podemos mudar essa política de preços lá", afirmou.

    Na segunda-feira (5), a Petrobras informou que vai aumentar a partir de 1º de maio os preços de venda de gás natural para as distribuidoras. A alta será de 39% em R$/m³, com relação ao último trimestre.

    Bolsonaro participou da cerimônia de posse do novo diretor-geral brasileiro de Itaipu, o general João Francisco Ferreira, realizada em Foz do Iguaçu, no Paraná.

    "Vocês [consumidores] precisam saber quanto o governo federal arrecada de imposto em cada combustível e quanto os governos estaduais recebem de impostos dos mesmos combustíveis. Isso é pedir muito? A previsibilidade é para vocês consumidores", disse.

    ​Segundo Bolsonaro, o projeto deve ser colocado em pauta na Câmara em um prazo de 15 a 20 dias.

    "Estou querendo interferir em uma estatal, na política de preços ou estou querendo transparência dessa estatal?", questionou o presidente.

    Em fevereiro, Bolsonaro decidiu indicar o general Joaquim Silva e Luna para substituir Roberto Castello Branco na presidência da Petrobras porque se mostrou insatisfeito com o reajuste do diesel e da gasolina.

    "Pelo projeto de lei queremos que o valor do imposto não seja único para os combustíveis em todo o Brasil, mas que seja um valor fixado em cada estado e cada governador se responsabilize, junto com o presidente, no valor cobrado de imposto de cada item", concluiu Bolsonaro.

    Mais:

    João Dória anuncia 'o maior programa social da história do estado de São Paulo'
    Brasil: Lira e Pacheco sugerem uma revisão para a Lei de Segurança Nacional
    Descontrole da COVID-19 no Brasil prejudica comércio exterior do país, afirma especialista
    UFMG descobre 'possível nova variante' do coronavírus com 18 mutações em Belo Horizonte
    'Orçamento não deve ser sancionado, ou Bolsonaro poderá sofrer um impeachment', alerta economista
    Tags:
    preço do diesel, diesel, preço da gasolina, gasolina, gás natural, preços de combustíveis, combustível, Jair Bolsonaro, Petrobras, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar