19:42 22 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    2233
    Nos siga no

    Em um movimento contrário aos de Ford e Chevrolet, que decidiram retirar ou diminuir produções no Brasil, a fabricante de autopeças Bosch decidiu trazer para o Brasil a produção de injetores e bicos de injetores para caminhões que eram produzidos nos Estados Unidos.

    Para Antônio Jorge Martins, engenheiro especialista em eletrônica e telecomunicações, a estratégia da Bosch reflete, sobretudo, o enorme potencial do mercado brasileiro no setor. Além disso, a intenção da empresa alemã é abastecer não só o mercado interno, mas também exportar uma grande quantia – que pode chegar a até metade da produção.

    "As empresas hoje se instalam nos continentes não somente para atender àquele tipo de mercado do país onde está se instalando, mas também para vender para os demais países que pertencem ao continente, e até a outros continentes", avalia Martins, em entrevista à Sputnik Brasil nesta terça-feira (9).

    A mudança dos EUA para o Brasil teve início no último sábado (6), quando a segunda maior aeronave cargueiro do mundo, a Antonov 124, levou até Campinas (SP) 115 máquinas da empresa alemã para produzir os injetores e bicos de injetores.

    Martins, que é coordenador dos cursos da área automotiva na Fundação Getúlio Vargas, acredita que a medida favorecerá principalmente os fabricantes locais de caminhões no Brasil, que não precisarão mais importar os produtos da Bosch. Ele destaca que o favorecimento vai além do preço menor: sem a necessidade de importar, as empresas podem organizar melhor as finanças. Isso porque, quando importam, as empresas normalmente garantem um largo estoque, suficiente para suprir a demanda de pelo menos um semestre.

    "Favorece fabricantes e, como consequência, […] poderá até propiciar aos fabricantes nacionais um volume de exportações maior, fruto do aumento de competitividade", analisa o especialista.
    © Folhapress / Edmar Barros / Futura Press
    Caminhões com carregamento de oxigênio chegam a Manaus

    Dos EUA para o Brasil: mudança arriscada?

    Em primeira análise, é possível dizer que a mudança dos EUA para o Brasil – ou seja, de uma economia estável para uma instável – representaria um risco desnecessário para a Bosch. No entanto, Martins não vê grandes riscos neste caso, sobretudo por conta do grande potencial brasileiro no mercado automotivo. A Bosch, ele explica, é uma empresa que já desfruta de grande penetração local.

    "O mercado de caminhões é muito forte no nosso país. Não somente voltado para o atendimento do mercado local como também para o atendimento das exportações. Temos inúmeras fábricas de caminhões que exportam para inúmeros países", diz Martins.

    O especialista enxerga apenas um risco pequeno, a longo prazo. Enquanto o dólar está em alta, as empresas locais exportam com facilidade. Há a expectativa, no entanto, de que o real se recupere aos poucos ao longo dos próximos meses. Por isso, Martins chama a atenção para que as autoridades pensem, desde já, em medidas para que o potencial de exportação brasileiro seja mantido mesmo com o dólar menos valorizado.

    "Isso só poderá ser provocado pelas reformas administrativa e tributária que venham a ser realizadas em nosso país. Isso é o ponto central que vai fazer com que o nosso país aumente o grau de competitividade. Ainda bem que temos já à mesa discussões para estes dois tipos de reformas", opina Martins.

    As reformas a que Martins se refere podem ser pautadas no Congresso nos próximos meses. Logo após as vitórias de Rodrigo Pacheco, no Senado, e de Arthur Lira, na Câmara, o presidente Jair Bolsonaro entregou a ambos uma lista com propostas de 35 projetos prioritários para o governo – entre eles, estão as reformas administrativa e tributária.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Após deixar o Brasil, Ford anuncia investimento de US$ 1 bilhão na África do Sul
    Após saída da Ford, Chevrolet suspende produção: montadoras em crise?
    Guedes diz que Brasil pode virar Argentina ou Venezuela: 'É graças a ele', avalia economista
    Novo auxílio emergencial ficará entre R$ 175 e R$ 375, diz Guedes
    Tags:
    indústria automobilística, setor automotivo, indústria, caminhão, caminhões, exportação, economia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar