05:22 20 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    261
    Nos siga no

    A Justiça do Trabalho concedeu duas liminares na noite desta sexta-feira (5) suspendendo a demissão em massa de funcionários das fábricas da Ford em Camaçari (BA) e Taubaté (SP).

    A montadora fica proibida de suspender o pagamento de salários e de licenças remuneradas enquanto os contratos de trabalho estiverem em vigor. As informações foram publicadas pelo portal G1.

    Em Taubaté, a juíza Andréia de Oliveira, da 2ª Vara Federal do Trabalho, proibiu a Ford de vender maquinário e outros bens da unidade. Ela determinou que a montadora apresente um cronograma de negociação coletiva em 30 dias.

    "O caso dos autos não envolve a dispensa sem justa causa de um único trabalhador, onde o impacto é sentido por uma família apenas. A dimensão da empresa, o número de empregos diretos e indiretos atingidos e o impacto social para o país não comportam uma solução simplista para o caso", escreveu a magistrada.

    A decisão desta sexta-feira (5) é em caráter liminar e a empresa ainda pode recorrer.

    Na Bahia, o juiz Leonardo de Moura Landulfo Jorge, da 3ª Vara do Trabalho de Camaçari, determinou que poderá ser aplicada multa de R$ 1 milhão por norma descumprida e R$ 50.000 por trabalhador atingido.

    A empresa também não pode, segundo a decisão, praticar "assédio moral negocial, de apresentar ou oferecer propostas, ou valores de forma individual aos trabalhadores, durante a negociação coletiva, devendo, caso seja do seu interesse, informar a coletividade das tratativas através de comunicados oficiais".

    Mais:

    'Vulnerabilidade econômica e social levam ao trabalho escravo no Brasil', diz procurador da Justiça
    Dívida pública mostra Brasil com dificuldade de crescimento e de atrair investidores, diz economista
    Déficit de R$ 743 bilhões: 'A economia brasileira está na UTI', afirma economista
    Brasil vem se colocando como um dos grandes exportadores de petróleo, diz economista
    Tags:
    Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté, indústria automobilística, setor automotivo, fábrica, fechamento, montadoras, Ford, economia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar