07:51 28 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    140
    Nos siga no

    Números do IBGE mostram que taxa de desocupação oscilou de 14,3% para 14,1% no trimestre de setembro a novembro. Esta é a maior para o período de setembro a novembro desde o início da série histórica da pesquisa, iniciada em 2012.

    A taxa de desemprego no Brasil ficou em 14,1% no trimestre móvel encerrado em novembro de 2020, apontam dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) mensal, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados nesta quinta-feira (28). No trimestre móvel anterior, encerrado em outubro de 2020, a taxa ficou em 14,3%.

    O número de desempregados foi estimado em 14 milhões. A renda média real do trabalhador ficou em R$ 2.517 no período, uma alta de 4% em comparação a igual trimestre móvel de 2019.

    ​O total de pessoas ocupadas aumentou 4,8% e chegou a 85,6 milhões. São 3,9 milhões de pessoas a mais no mercado de trabalho com relação ao trimestre anterior.

    Esta taxa de desemprego é a maior para o trimestre de setembro a novembro desde o início da série histórica da pesquisa, iniciada em 2012. No mesmo período em 2019, a taxa de desocupação medida pela Pnad Contínua foi de 11,2%.

    Mais:

    Inflação no Brasil: pressão da alta dos alimentos tem 'impacto duplo' na economia, diz economista
    China poderá se tornar a maior economia do mundo antes do esperado
    Crise econômica nos EUA 'está apenas se aprofundando', declara Biden
    Tags:
    Pnad Contínua, empregos, emprego, Brasil, economia, IBGE, desocupação, desemprego
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar