14:04 17 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    190
    Nos siga no

    Em outubro, a utilização de dinheiro físico caiu para o nível mais baixo da história do país escandinavo em consequência da pandemia do novo coronavírus.

    A Suécia pode se tornar um dos primeiros países do mundo a dispensar o dinheiro físico, depois que o governo do país escandinavo anunciou planos para a transição completa para uma moeda digital, relata a agência Bloomberg.

    Per Bolund, ministro dos Mercados Financeiros do país, afirmou que um estudo sobre a viabilidade da proposta deve ser concluído até o final de novembro de 2022. Enquanto isso, o Riksbank, Banco Central da Suécia, juntamente com a empresa Accenture, trabalha no projeto da coroa eletrônica ou e-crown, baseada na mesma tecnologia blockchain que sustenta moedas digitais como o Bitcoin.

    Em qualquer caso, a decisão sobre o futuro da moeda digital será tomada a nível político, garantiu Stefan Ingves, governador do Riksbank.

    Do ponto de vista do governo, Bolund disse que "é fundamental que o mercado de pagamentos digitalizado funcione com segurança e esteja disponível para todos […]. Dependendo de como uma moeda digital é projetada e quais tecnologias são usadas, isso pode ter grandes consequências para todo o sistema financeiro", relata a mídia.

    Em outubro, o Riksbank afirmou que o uso de dinheiro físico na Suécia caiu para o nível mais baixo de todos os tempos, à medida que a pandemia acelerava o afastamento das notas e moedas. Menos de 10% de todos os pagamentos foram feitos em dinheiro no país, de acordo com a pesquisa do banco.

    Mais:

    Moeda digital chinesa poderia surgir em transações com Brasil, avalia analista
    Cidade na China distribuirá dinheiro entre 50.000 pessoas para testar sistema de moeda digital
    Banco central da Austrália lança projeto de moeda digital
    Duas potências árabes pretendem criar moeda digital comum, qual seria o objetivo?
    Tags:
    Suécia, blockchain, moeda virtual, moeda
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar