22:49 15 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    0 10
    Nos siga no

    A inflação para as famílias de renda mais baixa, que são as com rendimento familiar mensal menor do que R$ 1.650,50, teve alta de 1% em novembro. No acumulado do ano, a inflação para as famílias de menor poder aquisitivo chega a 4,56%.

    Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (11) através do Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

    Segundo a pesquisa, a única faixa de renda que registrou desaceleração inflacionária foi a das famílias de renda mais alta. Para elas, que têm rendimento domiciliar superior a R$ 16.509,66, a variação de preços caiu de 0,82% em outubro para 0,63% em novembro.

    Prateleira de supermercado mostra alta no preço dos pacotes de arroz no Brasil.
    © Folhapress / Genival Paparazzi/Photo Press
    Prateleira de supermercado mostra alta no preço dos pacotes de arroz no Brasil.

    No acumulado do ano, a inflação das famílias de renda alta (1,68%) foi bem menor que a registrada pelas famílias de menor poder aquisitivo (4,56%).

    O grupo de alimentos e bebidas foi responsável, sozinho, por 75% da inflação nas famílias de baixa renda em novembro. Os destaques foram os aumentos no arroz (6,3%), batata (29,7%), frango (5,2%), óleo de soja (9,2%) e carnes (6,5%).

    "Neste ano, o cenário inflacionário combinou forte aceleração de preços de alimentos com uma alta desaceleração da inflação de serviços, o que explica o diferencial da inflação entre as faixas de renda mais baixa e mais alta", escreveu o Ipea.

    Já no grupo de transportes, a alta foi causada pelos reajustes dos transportes por aplicativo (7,7%), gasolina (1,6%) e etanol (9,2%), que impactaram, principalmente, as famílias mais ricas.

    De acordo com o Ipea, na comparação com novembro de 2019, a taxa de inflação da renda muito baixa aumentou 85%, enquanto para o grupo de renda alta o aumento foi menos acentuado (48%). A inflação das famílias mais pobres passou de 0,54% para 1,0%, enquanto as famílias mais ricas registraram uma pressão inflacionária de 0,43% para 0,63%.

    Mais:

    Relator anuncia adiamento da apresentação de PEC Emergencial para 2021
    Especialista considera que economia chinesa alcançará a dos EUA em ritmo acelerado
    OMS recomenda que agências nacionais estudem efeitos colaterais de vacinas contra COVID-19
    Associação hoteleira do RJ otimista para o Réveillon: 'Retomada está sendo feita em grande estilo'
    Tags:
    renda, consumidores, consumo, índice de preços ao produtor, preços, preço, inflação, economia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar