17:49 24 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    136
    Nos siga no

    A provável eleição do democrata Joe Biden, que não é alinhado político do presidente brasileiro Jair Bolsonaro, como novo presidente dos EUA trouxe dúvidas se a relação comercial entre os dois países vai mudar.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, José Augusto de Castro, presidente-executivo da AEB (Associação de Comércio Exterior do Brasil), disse que a expectativa do empresariado é que agora "tenha uma presidência dos Estados Unidos mais previsível, menos imprevisível".

    "O presidente Trump adota medidas de surpresa e isso faz com que as empresas não tenham como se preparar para o futuro e muito menos definir projetos de longo prazo", explicou.

    Segundo o empresário, apesar de historicamente os democratas serem mais protecionistas do que os republicanos, Biden tende a fazer um governo mais focado no multilateralismo do que o atual presidente Donald Trump.

    "Isso porque, se ele [Joe Biden] quer se aproximar do mundo, se ele quer fazer uma integração mundial, basicamente ele vai ter que fazer multilateralismo e isso vai permitir que nações com menor expressão possam participar do comércio internacional", projetou.

    José Augusto de Castro disse que a expectativa da AEB é de que, com o multilateralismo incentivado em um eventual governo Biden, o Brasil possa ter uma maior participação na economia dos EUA.

    "A expectativa é que com o multilateralismo nós possamos ter uma atuação mais segura e mais importante em termos de comércio internacional. Tem que esperar para ver, mas essa é nossa expectativa nesse momento", disse.

    Castro disse que os principais produtos que o Brasil exporta para os Estados Unidos são ferro e aço.

    "Principal produto é o semi-manufaturado de ferro e aço, que é a matéria-prima básica para a siderúrgicas americanas, depois vem petróleo bruto, celulose, aviões, café, óleos e combustíveis de petróleo, geradores elétricos, madeira, motores e máquinas não elétricos", contou.

    No entanto, José Augusto de Castro diz que o Brasil precisa fazer o "dever de casa" se quiser aumentar suas importações para os Estados Unidos e isso passa por aprovar reformas estruturais para diminuir o chamado Custo Brasil.

    "Para o Brasil ter um maior acesso ao mercado americano nós temos que aprovar nossas reformas estruturais para permitir que o país reduza o Custo-Brasil para termos preços mais competitivos para concorrer no mercado americano", destacou.

    Confira a apuração dos votos nas eleições presidenciais norte-americanas:

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Maduro: 'Trump deixa campo minado entre a Venezuela e os EUA'
    Mídia chinesa: comércio China-EUA deve regressar à normalidade após eleições, mas há que ter cautela
    Ministro estoniano renuncia após tachar eleições nos EUA de fraudulentas
    Sanções dos EUA privam Irã de receber 5 milhões de doses de vacina contra gripe
    EUA ultrapassam marca de 10 milhões de casos de COVID-19
    Tags:
    economia, Estados Unidos, Brasil, comércio bilateral, comércio exterior, Eleições nos EUA, eleição, Joe Biden
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar