01:08 24 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    Brasil na luta contra COVID-19 no início de novembro (27)
    7421
    Nos siga no

    Uma pesquisa do Núcleo de Inteligência e Pesquisas do Procon-SP em convênio com o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), revelou que o preço médio do pacote de 5 kg de arroz aumentou 71% durante a pandemia da COVID-19.

    Segundo o levantamento divulgado na última terça-feira (27), o pacote de 5 kg de arroz em fevereiro desse ano, antes de ser decretada a pandemia, custava R$ 12,78 e passou para R$ 21,83 em outubro.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, Alexandre Azevedo Velho, presidente da Federarroz (Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul), o estado maior produtor de arroz do país, atribuiu o aumento do preço de arroz nas prateleiras a diversos fatores, entre eles, o cenário mundial vivido por outros países produtores do cereal.

    "A mudança de patamar do preço do arroz faz parte de uma conjuntura mundial em 2020, grandes países produtores como a China, Índia e também a Tailândia diminuíram suas exportações em função da pandemia e da questão da segurança alimentar", declarou.

    A pesquisa do Procon mostrou que a maior variação mensal do ano de 2020 ocorreu no mês de setembro, 21%, quando o pacote que custava R$ 16,87 em agosto passou para R$ 20,35.

    O levantamento foi realizado em 40 supermercados distribuídos nas cinco regiões do município de São Paulo e abrange 39 itens dos grupos de alimentos, higiene pessoal e limpeza doméstica.

    Outro motivo que levou ao aumento do preço do arroz nos supermercados brasileiros, de acordo com Alexandre Azevedo Velho, é a taxa de câmbio, com a desvalorização do real em relação ao dólar.

    "Isso favoreceu muito a competitividade do arroz brasileiro e consequentemente a exportação teve volumes maiores durante este ano. Temos também uma paridade maior com relação ao Mercosul e isto dificulta a entrada de arroz do Mercosul valorizando o mercado interno", destacou.

    O produtor também explicou que a área plantada do arroz no Brasil diminuiu muito. Alexandre Azevedo Velho calcula que só no Rio Grande do Sul, que corresponde por 70% da produção nacional, a área plantada do arroz diminuiu mais de 250 mil hectares.

    "Essa diminuição de área também provocou um ajuste na oferta e demanda. Justamente neste ano de 2020, em função da pandemia, nós tivemos uma mudança de comportamento por parte do consumidor que ficou mais em casa e consequentemente aumentou o consumo de produtos como o arroz", disse.

    Alexandre Azevedo Velho disse que o consumo de arroz no Brasil aumentou para quase um milhão de toneladas durante a pandemia.

    "Se calcula que o aumento do consumo de arroz no Brasil passa de 10%, isso significa dizer que nós aumentamos para quase um milhão de toneladas o consumo anual, já que a demanda brasileira de arroz está calculada em pelo menos 900 mil toneladas por mês", afirmou.

    Apesar de a pesquisa do Procon ter detectado um aumento de 71% nos preços do arroz, Alexandre Azevedo Velho calculou um aumento de 28,5% no preço do arroz e disse que o produto continua acessível para os consumidores brasileiros.

    "Essa mudança já era prevista e uma família de quatro pessoas, mesmo pagando R$ 4,50 pelo quilo do arroz que consome todos os dias, não vai gastar mais do que R$ 25 por mês. Isso demonstra que o arroz ainda é um produto acessível", defendeu.

    Segundo o produtor, o preço do produto não representa uma grande fatia do valor geral da cesta básica.

    "O cálculo da participação do arroz na cesta básica é somente de 2% a 3%, isso mostra que o arroz mesmo nesse novo patamar continua sendo um produto acessível aos consumidores", declarou.

    O presidente da Federarroz disse que o Brasil vende o produto principalmente a países da América Central.

    "A maior venda para o mercado externo se deve a este câmbio acima de R$ 5, muitos mercados da América Central são os principais compradores do arroz brasileiro", explicou.

    Outro ponto salientado por Alexandre Azevedo Velho é de que não há riscos de faltar arroz nas prateleiras dos mercados do Brasil.

    "O mercado nacional está abastecido, o governo brasileiro acabou diminuindo a Tarifa Externa Comum para trazer arroz de fora para garantir esse abastecimento, mas nós temos arroz suficiente para chegar até a próxima safra que já deve iniciar a partir do mês de janeiro", afirmou.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Brasil na luta contra COVID-19 no início de novembro (27)

    Mais:

    Países que pressionam Brasil por desmatamento são responsáveis por 10% do agronegócio brasileiro
    Vice-presidente da SNA: agricultura familiar é 'fundamental' para inserir Nordeste no agronegócio
    Economista: incerteza política e falta de perspectiva causam perda de investimento no Brasil
    Agronegócio aumentará ainda mais participação no PIB do Brasil pós-pandemia, diz economista
    Entre prejuízos e boas notícias, economista-chefe da CNC fala sobre desafios do comércio no Brasil
    Após abertura da fronteira, Argentina aposta no turismo de brasileiros para alavancar a economia
    Agronegócio 'também é vítima' dos problemas ambientais do Brasil, diz vice-presidente da SNA
    Tags:
    supermercados, inflação, COVID-19, economia, índice de preços ao produtor, guerra de preços, preço, arroz, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar