14:24 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    3322
    Nos siga no

    O economista Peter Schiff analisa por que os mercados e a economia norte-americana dependem tanto do recebimento contínuo de incentivos.

    O economista e corretor da bolsa norte-americano, Peter Schiff, adverte em seu novo podcast que "cada bolha encontra seu alfinete" e que a criação de dinheiro "do nada" por parte do Sistema de Reserva Federal dos Estados Unidos (Fed, na sigla em inglês) conduzirá ao colapso do dólar.

    Os mercados caíram nesta segunda-feira (26) com uma preocupação proveniente da falta de progresso em um acordo de incentivo e pelo aumento dos casos da COVID-19, argumenta Schiff.

    Segundo economista, a liquidação poderia ter sido pior se não fossem as ações de que se beneficiaram com a pandemia. No entanto, o mesmo se pergunta por quanto tempo essas ações poderiam continuar fomentando o mercado, uma vez que já estão significativamente sobrevalorizadas.

    "Se todas as pessoas que ficam em casa e fazem compras nunca voltarem ao trabalho ou nunca tiverem um trabalho, e o único dinheiro que tiverem para gastar é o dinheiro que o Fed cria 'do nada', eventualmente o dólar colapsará e seu poder aquisitivo real reduzirá junto com ele", prediz o especialista, alertando que "muitas dessas ações colapsarão, porque não terão rendimento real".

    'Carregados de dívidas'

    Embora a maioria dos norte-americanos indique atualmente a pandemia como uma das razões principais de seu desespero, Schiff lembra que o país já enfrentou outros grandes choques econômicos, como a Segunda Guerra Mundial e sem contar com a abundância de incentivos governamentais.

    Neste sentido, o economista explica que, naquela época, a população estava mais preparada e dispunha de uma poupança, ao passo que agora não estavam preparados "de forma alguma".

    "Por que os norte-americanos estão carregados de dívidas e vivem de salário em salário? Por que acontece o mesmo com tantas empresas? Por que as perdas de crédito agora vão ser horríveis?", indaga o economista.

    De acordo com Schiff, tudo isso acontece porque a Reserva Federal manteve taxas de juro tão baixas, durante tanto tempo, que as pessoas e as empresas tiveram a chance de pedir muito mais dinheiro emprestado do que poderiam em um ambiente normal de crédito.

    "É graças à Reserva Federal que a sociedade e o país estão tão alavancados. Por isso somos tão vulneráveis e por isso todo o mundo precisa de tanta ajuda", enfatiza.

    Se os EUA permitissem "que as forças do mercado operassem", teriam tido uma economia muito mais saudável perante a COVID-19, "em vez de uma bolha", assegura o analista que conclui: "O problema das bolhas é que, mais cedo ou mais tarde, elas sempre encontram um alfinete."

    Mais:

    Economista: incerteza política e falta de perspectiva causam perda de investimento no Brasil
    Xeque-mate econômico: como responderia China às sanções econômicas dos EUA?
    Banco Central registra maior quantidade de dólares enviada ao Brasil desde 1995
    Bloco econômico liderado por China e Rússia faz jogada para se afastar do dólar e do euro
    Tags:
    pandemia, COVID-19, economia, dinheiro, eua, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar