21:45 03 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    4320
    Nos siga no

    Em meio ao crescente papel da China na economia mundial, Buenos Aires anuncia que vai permitir o uso de yuans em operações de comércio internacional.

    O último informe do Centro de Estudos de Desenvolvimento do Conselho de Estado chinês estima que a nação vai se converter na primeira economia do mundo em 2032.

    A projeção estima que a economia cresça a um ritmo mais lento que nos últimos anos e que as tensões comerciais com os EUA continuem a aumentar, porém, ainda assim, deverá superar o país norte-americano em geração de valor.

    Bandeira da China em Xangai, distrito financeiro
    Bandeira da China em Xangai, distrito financeiro

    Contudo, várias perguntas permanecem: o que vai ocorrer com o yuan? Vai conviver com o dólar ou o substituir?

    A moeda norte-americana se converteu na principal divisa nas trocas globais em 1944, após os acordos de Bretton Woods.

    Ainda que os acordos tenham sido feitos com base no fato de o dólar ser respaldado em ouro, seu emprego atual se baseia em convenções sociais e no papel dos EUA no sistema financeiro internacional. Um papel que a China ainda não possui.

    "O yuan é uma moeda de trocas que poderia ser atraente ante o dólar por causa da estratégia multidirecional da China. Esta apresenta um conjunto de políticas interconectadas entre si onde a parte financeira, a relacionada com os empréstimos e os investimentos, é feita em moeda chinesa", disse à Sputnik Mundo a analista argentina Carla Oliva.

    "Porém, temos que ter sempre em conta que o dólar ainda é a moeda predominante na economia internacional", agregou.

    Para a docente da Universidade Nacional de Rosario (Argentina) e coordenadora do Grupo de Estudos China-Argentina, o gigante asiático ainda "tem que trabalhar muito" para ampliar o uso de sua moeda. De todas as formas, ela considera um grande passo nessa direção a inclusão do yuan na cesta de divisas do Fundo Monetário Internacional em 2016.

    Ela refere ainda o anúncio do governo argentino de Alberto Fernández de permitir a compra de yuans para pagamentos de operações de comércio exterior. A decisão permite ao país economizar seus escassos dólares.

    Peso argentino e dólar norte-americano
    © AP Photo / Natasha Pisarenko
    Peso argentino e dólar norte-americano

    "Eu diria que a medida é tanto um mérito da China quanto uma necessidade da Argentina. [...] Não devemos deixar de ter em conta que Pequim está levando adiante uma medida acelerada porque é um ator financeiro internacional cada vez mais importante. Nesse sentido, a internacionalização de sua moeda é um dos seus componentes centrais", salientou.

    Mais:

    Fim da desvalorização: yuan está no maior patamar diante do dólar desde 2018
    China minimizou impacto econômico, enquanto EUA correm risco de se tornar país zumbi, diz economista
    Goldman Sachs se mostra pessimista sobre futuro do dólar a curto prazo
    Tags:
    Argentina, China, comércio exterior, yuan, dólar, economia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar