14:17 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    543
    Nos siga no

    O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quinta-feira (15) que o governo pode desistir da criação de um imposto sobre transações financeiras nos moldes da antiga CPMF. 

    Um dia antes, porém, em transmissão ao vivo promovida pelo Instituto Brasileiro de Ensino, Desenvolvimento e Pesquisa (IDP), o ministro defendeu a criação do tributo, argumentando que os bancos cobram taxas parecidas. Segundo a equipe econômica, o imposto é necessário para desonerar a folha de pagamento das empresas, o que poderia ajudar na recuperação econômica do país. 

    Em entrevista para a CNN Brasil, Guedes afirmou, mais uma vez, que "não existe aumento de imposto". Segundo a equipe econômica, o que haveria seria um remanejamento dos tributos. No entanto, o ministro admitiu que "talvez" desista do projeto. 

    "Não existe aumento de imposto. A mídia, por exemplo, quer desonerar a folha [de pagamento], não quer? Esse imposto só entraria se fosse para desonerar. Talvez nem precise, talvez eu desista", afirmou. 

    Imposto não financiara Renda Cidadã

    Além disso, Guedes garantiu que o possível tributo não seria usado para financiar o Renda Cidadã, programa de transferência de renda do governo criado para substituir o Bolsa Família.

    Em função da crise do coronavírus, o governo desonerou a folha de pagamento de 17 setores, com objetivo de beneficiar 6.000.000 de trabalhadores. A medida vale até o final do ano. Sua ampliação, no entanto, já foi vetada pelo presidente Jair Bolsonaro. 

    A equipe econômica condiciona a possibilidade de estender a desoneração à criação de um imposto sobre transações financeiras, embora a medida gere críticas de diversos segmentos da sociedade. Com a desoneração, empresas podem substituir a contribuição previdenciária de 20% sobre os salários por uma alíquota menor sobre a receita bruta. 

    A Contribuição Provisória de Movimentação Financeira (CPMF) foi cobrada de 1997 a 2007, ano em que foi lançada campanha contra o imposto e o tributo foi derrubado pelo Congresso.

    Mais:

    Mourão defende imposto sobre transações financeiras; Maia quer relançar campanha 'Xô, CPMF'
    Bolsonaro libera Guedes para discutir criação da nova CPMF, diz jornal
    Nenhum deputado é 'suicida' para aceitar proposta de nova CPMF em ano eleitoral, diz especialista
    Tags:
    tributos, impostos, empresas, CPMF, economia, governo, Jair Bolsonaro, Paulo Guedes, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar