13:53 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    290
    Nos siga no

    Em meio à crescente incerteza sobre as eleições americanas, Pequim revela sua estratégia para atrair investidores do país norte-americano com grande oferta de seus títulos em dólares.

    Pelo quarto ano seguido, a China apresenta uma oferta de dívida em dólares com vencimento de três, cinco, dez e 30 anos, revela a agência Bloomberg.

    Além disso, o Ministério das Finanças da China abre pela primeira vez sua venda de títulos a um amplo grupo de investidores dos EUA. Isto permite diversificar potencialmente sua base de investidores e deixar de lado as preocupações de dissociação nos mercados de crédito.

    A nação obteve mais de US$ 30 bilhões (R$ 167 bilhões) de propostas de investidores. De acordo com o ministério, o país já arrecadou ao todo US$ 6 bilhões (R$ 33,55 bilhões) através do novo sistema. Esta venda de dívida chinesa vai incluir a primeira edição de títulos 144A, assim como os títulos sênior Regulação S, vendidos anteriormente.

    Bandeira da China em Xangai, distrito financeiro
    Bandeira da China em Xangai, distrito financeiro

    A medida vai permitir aumentar a participação potencial de investidores estrangeiros, em comparação com a oferta global de títulos do ano passado no valor de US$ 6 bilhões (R$ 33,55 bilhões) e € 4,7 bilhões (R$ 30,8 bilhões).

    "A emissão 144A mostra que a China está interessada em promover seus títulos em dólares globalmente, inclusive para investidores americanos", segundo Chang Wei Liang, estrategista do DBS Bank Ltd. em Singapura.

    "A China tem adotado uma abordagem pragmática para aprofundar e liberalizar seus mercados financeiros, e é provável que continue com ou sem tensões políticas com os EUA", diz Liang.

    A recente venda de dívida soberana nesta semana ocorre em meio às eleições norte-americanas de novembro, que começam a pesar na volatilidade dos mercados.

    Mais:

    Mundo precisa de alternativa ao dólar após pandemia, diz Bolsa de Ouro de Xangai
    Goldman Sachs se mostra pessimista sobre futuro do dólar a curto prazo
    Nobel de Economia 2020 vai para Milgrom e Wilson por invenção de novos formatos de leilão
    Tags:
    investimento, EUA, China, títulos, dívida, Dólar, economia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar