18:38 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    1921
    Nos siga no

    O real é a moeda que mais se desvalorizou em relação ao dólar em 2020. Quando o ano começou, cada dólar valia R$ 4,02. Nesta quinta-feira (1º), chegou a seu maior valor desde maio, cotado a R$ 5,65.

    A moeda americana acumula uma alta de 40% comparada à brasileira no ano, maior queda em uma lista de 30 países, conforme publicou o jornal Valor Econômico.

    Apesar dos números, o economista José Cezar Castanhar, especialista em Finanças Públicas, professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), explica que a taxa de câmbio tem que ser vista do ponto de vista estratégico.

    "Essa análise da taxa de câmbio tem que ser pensada em uma perspectiva mais estratégica e não apenas nos efeitos de curto prazo e apenas pensando nos efeitos sobre o mercado cambial", disse à Sputnik Brasil.

    Segundo Castanhar, os efeitos do real desvalorizado no curto prazo são, de fato, negativos.

    "Os efeitos de curto prazo são principalmente alguma pressão sobre a inflação, que já está ocorrendo em alguns produtos agrícolas. Mas, mesmo nesse sentido, a desvalorização acontecendo neste momento é o menor dos males. A economia brasileira está em uma situação de grande anemia, fazendo um esforço enorme para se recuperar de um tombo gigantesco provocado pela pandemia", explicou.

    O economista atribui a desvalorização do real também à política do Banco Central de reduzir a taxa de juros.

    "É bom lembrar que o real já vinha sendo desvalorizado desde o ano passado e uma das razões principais para isso foi a decisão do Banco Central de começar a baixar de maneira mais agressiva [a taxa de juros] para tentar estimular a retomada do crescimento da economia", afirmou.

    Por outro lado, segundo Castanhar, o real desvalorizado aumenta a competitividade da indústria brasileira no mercado externo e pode ser benéfico para a economia no médio e longo prazo.

    "No médio e no longo prazo o efeito é mais positivo do que negativo porque ele restaura a competitividade de setores importantes da economia brasileira, especialmente os serviços e para a indústria que teve nos últimos 15 e 20 anos um desempenho bastante negativo nas exportações", destacou.

    Por fim, José Cezar Castanhar defende que a política econômica não deve se basear somente em fortalecer a moeda nacional.

    "Qualquer ação do governo não deveria ser para fortalecer o real. Um país em desenvolvimento que tem uma moeda não conversível, que passou por crises cambiais severas ao longo da sua história, ter uma política para valorizar o real é um equívoco. A política tinha que ser exatamente a oposta, para tentar manter uma taxa de câmbio competitiva, que estimule o setor produtivo da economia brasileira", completou.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    CNI: coronavírus pode reduzir exportações em US$ 18,6 bi no Brasil
    Produção na área do pré-sal bate recorde pelo 2º mês consecutivo
    Banco Central reduz taxa Selic para 2,25% ao ano, menor valor desde 1999
    Banco Central tenta estimular economia real ao baixar Selic, diz economista
    Apoio do Brasil ao novo presidente do BID não é garantia de recursos ao país, aponta economista
    Tags:
    exportações brasileiras, exportações, taxa de câmbio, taxa de juros, dólar, real, economia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar