07:47 26 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    5450
    Nos siga no

    O recente relatório surge logo após as previsões feitas for analistas de mercado e hedge funds que o dólar americano poderia perder mais de um terço de seu valor ante o euro e cair em relação a outras moedas nos próximos meses.

    Essa situação se deve ao mau desempenho econômico dos EUA e incremento de sua dívida na sequência da crise do coronavírus.

    O mundo está "à beira" de uma nova era marcada pela instabilidade, desordem e fragmentação do período anterior de globalização, prevê em seu relatório o Deutsche Bank, o maior banco da Alemanha e uma das maiores instituições financeiras do mundo.

    No documento, o banco sugere que a crise do coronavírus acelerou, mas não causou, a chegada daquilo que o principal analista Jim Reid refere como a nova "Era da Desordem", em que a deterioração das relações e os interesses divergentes entre os EUA e a China substituirão a era da "globalização sem restrições" que começou no início dos anos 80.

    "Em termos de geopolítica, a tensão entre os EUA e a China deveria 'caracterizar a era da desordem' à medida que a China continua o percurso de recuperação de seu papel histórico como motor econômico mundial enquanto prefere seus próprios valores ao liberalismo ocidental", aponta o resumo do relatório.

    Prevê-se que a China ultrapasse os EUA em termos de Produto Interno Bruto nominal até o final desta década. Com esta mudança radical é esperado que aumente o perigo da chamada Armadilha de Tucídides (risco acrescido de conflito militar entre duas potências rivais quando uma alcança outra economicamente). O relatório lembra que aconteceram guerras em 12 das 16 vezes em que ocorreu a Armadilha de Tucídides nos últimos cinco séculos.

    Yuan e dólar
    © Depositphotos / Koydesign
    Yuan e dólar

    Relatório sugere que um confronto militar direto entre a China e os EUA é improvável, no entanto, em vez disso o conflito se assemelhará mais à Guerra Fria entre os Estados Unidos e a União Soviética, o que economicamente implica novas tarifas, sanções, apreensões de ativos e proibição de transferência de tecnologia e geopoliticamente a formação de blocos militares distintos, um liderado por Pequim e outro por Washington. Por sua vez, separadamente a China, a Rússia, a União Europeia e a Turquia devem competir pela influência no Oriente Médio e em África.

    O relatório alerta que o período de instabilidade, que é previsto que dure cerca de dez anos, poderia ser "uma década de tudo ou nada para a Europa", com interesses econômicos divergentes e estagnação econômica ameaçando criar novos "pontos de estresse" na sequência da crise do coronavírus.

    Os analistas do Deutsche Bank preveem também que a "teoria monetária moderna", ou o chamado "dinheiro de helicóptero", que é uma política monetária controversa que sugere pagamentos de bancos centrais diretamente aos cidadãos par estimular o crescimento econômico, será a tendência principal nos próximos anos e levará ao endividamento ainda mais elevando dos países. É previsto que um dos prováveis efeitos colaterais seja o aumento da inflação.

    Devido à crise causada pelo coronavírus, a economia global deverá encolher mais de 5%, com o Banco Mundial denominando esta recessão como "a pior recessão desde a Segunda Guerra Mundial".

    Mais:

    Responsabilidade dos supermercados na alta dos preços é limitada, opina economista
    Como recuperação econômica da China pode ajudar a tirar o mundo da recessão?
    China poderá se livrar de títulos do Tesouro dos EUA em meio a tensões com Washington, diz jornal
    Tags:
    Guerra Fria, tarifas, guerra de sanções, China, EUA, guerra econômica, economia mundial
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar