23:43 30 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    9214
    Nos siga no

    A alta dos alimentos "não é uma questão de patriotismo", e sim das leis de oferta e procura, disse à Sputnik Brasil economista ao comentar medidas e declarações do governo sobre controle de preços.

    Nos últimos meses, o prato mais tradicional da mesa do brasileiro ficou bem mais caro. Segundo dados do ProconsBrasil, o arroz registrou aumento de 320%, com um saco de cinco quilos chegando a exorbitantes R$ 40 em algumas prateleiras. O feijão também registrou alta. A cesta básica do brasileiro está cerca de 20% mais cara. 

    Para amenizar o problema, o governo anunciou que vai zerar as tarifas de importação de 400.000 toneladas de arroz oriundo de países de fora do Mercosul. A medida já foi enviada pelo Ministério da Agricultura para o Comitê Executivo de Gestão (Gecex), órgão técnico que define a política tarifária brasileira.

    Antes da proposta, porém, o presidente Jair Bolsonaro tinha pedido "sacrifício e patriotismo" aos donos de mercados para baixar o preço dos alimentos. 

    'Regra clássica da economia'

    Para a economista Anapaula Iacovino, professora da FAAP (Fundação Armando Álvares Penteado), a afirmação não faz sentido, pois o que regula os valores dos produtos são outros fatores. 

    "A gente sabe que essa reação dos preços não é por conta de patriotismo, e sim por uma questão de regra clássica da economia, as leis da oferta e da demanda e de como os preços variam", disse a especialista em agronegócio. 

    Na quarta-feira (9), o presidente voltou atrás, afirmando que não haveria uma intervenção do Estado para controlar os preços dos alimentos. 

    "Ao que tudo indica Bolsonaro está começando a entender um pouco mais de economia", afirmou a especialista. 

    Zerar tarifas não deve baixar preços

    Sobre zerar as tarifas de importação do arroz, a economista elogia a regra e diz que ela deveria valer para sempre.

    "Zerar a importação é uma estratégia interessante e importante de ser feita. Na verdade, sempre deveria ser assim, ainda mais com alimentos. É importante que não tenha nenhum tipo de imposto que recaia em cima. Com essa condição o arroz tenderia a ser oferecido a um preço melhor no Brasil. A expectativa é de que o arroz importado aumente a oferta interna e leve a uma redução do preço", diz Iacovino. 

    No entanto, ela avalia que, sozinha, essa medida não terá força para reduzir os preços, no máximo levar a uma estabilização. 

    "Assim como para o Brasil está bom vender para outros países, outros países exportadores de arroz também têm outras opções para vender. Para eles trazerem para o Brasil, esse arroz não deve chegar barato. Não há uma expectativa de que haja uma redução no preço. A expectativa da redução é em um cenário onde a oferta fique maior do que a demanda, sem nenhum tipo de intervenção do governo e de nenhum tipo de instituição. O fato é que a importação pode contribuir para a estabilização do preço, mas, redução, muito pouco", explicou a economista. 

    Conjunção de fatores explica alta

    Segundo a professora, uma conjunção de fatores causou a alta dos preços dos itens da cesta básica no Brasil, principalmente uma demanda maior do que a oferta, tanto no mercado interno quanto externo.  

    "O fato das pessoas ficarem em casa levou a um consumo maior de itens da cesta básica. E tem até o elemento interno, que é o auxílio emergencial, que tende a aumentar o mercado consumidor de alimentos. A tendência é que esse dinheiro seja usado para a subsistência e a comida é o primeiro fator. Isso contribuiu para o aumento da demanda desses produtos. No mercado internacional tem o fato da China ter voltado a importar alimentos e estar reabastecendo seu estoque. Quando a China faz um movimento como esse, de importadora, promove uma alta nos preços", afirmou a especialista. 

    'Falta de planejamento'

    A economista afirma ainda que o Brasil precisava de uma política de preços a médio a longo prazo, pois o aumento da inflação de alimentos "em um cenário de piora da economia é mais cruel do que já seria em qualquer outra fase".

    "Um aspecto importante dessa crise é que ela expõe uma falta de planejamento do segmento agro na oferta de alimentos para o mercado interno e na previsibilidade que um bom planejamento oferece sobre a variação de preços", disse Anapaula Iacovino.

    Mais:

    Brasil analisa eliminação temporária de tarifas de importação de soja, arroz e milho
    'Compras de pânico' podem gerar inflação, apesar do estoque de alimentos ser suficiente, diz FAO
    Inflação no Brasil fica em 0,36% em julho puxada por alta na gasolina e energia elétrica, diz IBGE
    Tags:
    Agronegócio, exportação, importação, economia, tarifas, feijão, preços, China, inflação, arroz, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar