10:53 19 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    270
    Nos siga no

    O governo argentino alcançou um entendimento com três grupos de credores sobre a reestruturação da dívida, informou o Ministério da Economia do país.

    "A República Argentina e os representantes do Grupo Ad Hoc de Bonistas Argentinos, o Comitê de Credores da Argentina e o Grupo de Bonistas del Canje e outros retentores [...] chegaram a um acordo no dia da data que permitirá aos membros dos três grupos de credores apoiar a proposta de reestruturação da dívida da Argentina e conceder à República um alívio da dívida significativo", salientou o ministério.

    De fato, a Argentina ajustará as datas de pagamentos contempladas pelas novas obrigações estabelecidas em seu convite de 6 de julho, "sem aumentar o montante total dos reembolsos de capital ou os pagamentos de juros" que o país se compromete a realizar.

    O governo argentino busca descontar títulos de US$ 66,2 bilhões (R$ 352 bilhões) emitidos sob legislação estrangeira.

    O país latino-americano propôs, em particular, adiantar as datas de pagamentos de novos títulos a 9 de janeiro e 9 de julho em vez de 4 de março e 4 de setembro.

    Segundo o entendimento, os novos títulos a serem emitidos como compensação por juros vencidos e compensação pelo consentimento adicional vão começar a amortizar em janeiro de 2025 e vão vencer em julho de 2029.

    Nota de peso argentino em homenagem às ilhas Malvinas
    © Sputnik / Francisco Lucotti
    Nota de peso argentino em homenagem às ilhas Malvinas

    Os novos títulos 2030 denominados em dólares e euros vão começar a amortizar em julho de 2024 e vai vencer em julho de 2030, quando a primeira cota terá um montante equivalente a metade de cada cota restante.

    Por outro lado, os novos títulos 2038 em dólares e euros, a serem emitidos como contrapartida aos títulos de desconto existentes, começam a amortizar em julho de 2027 e vencem em janeiro de 2038.

    O governo argentino também estendeu o prazo das negociações que venciam nesta terça-feira (4) e colocaram 24 de agosto como data limite para concretizar o entendimento com os acionistas.

    Mais:

    Argentina prorroga quarentena após país registrar aumento de casos de COVID-19
    Expira prazo para Argentina reestruturar dívida: quais são os cenários possíveis?
    Acordo Mercosul-UE enfrenta resistência externa e dúvidas entre Brasil e Argentina, diz professora
    Tags:
    América do Sul, credores, economia, dívida, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar