01:49 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    5210
    Nos siga no

    O "raro" evento de uma depreciação geral da moeda líder sugere uma falta fundamental de confiança, estima analista.

    A queda do dólar pode ser "um sinal de perigo real desta vez", argumenta em um artigo para o jornal South China Morning Post Anthony Rowley, jornalista especializado em análises de assuntos econômicos e financeiros asiáticos.

    Rowley explica que o "raro" evento de uma de desvalorização geral da moeda líder sugere uma falta fundamental da confiança, que poderia "afundar os mercados financeiros e prejudicar a economia global".

    'Sinais ameaçadores'

    O jornalista constata que existem "sinais ameaçadores" de que o dólar "está com problemas", um dos quais é que a moeda norte-americana se desvaloriza não somente em relação a referências como ouro e prata, mas também contra muitas medidas de valor, incluindo moedas-chave.

    Uma desvalorização geral da divisa norte-americana "é rara", indica o analista, que assegura que a declaração do presidente da Reserva Federal dos Estados Unidos, Jerome Powell, de que o Banco Central manterá sua política monetária flexível ao menos até o fim deste ano, "prenuncia uma maior fraqueza".

    Segundo Rowley, os acontecimentos recentes sugerem que o dólar poderia "se romper por dentro" à medida que os EUA "se retiram cada vez mais" das obrigações internacionais, enquanto sua economia interna se enfraquece.

    'Muitas coisas poderiam cair com o dólar'

    Por outro lado, a "confiança nas moedas e a fé nelas como medidas de valor e como meios de intercâmbios não podem sobreviver à ideia de que sua oferta é praticamente infinita", enfatiza o especialista, acrescentando que os mercados veem atualmente "uma moeda enfraquecida que apenas vale o papel em que está impressa", e, em seu lugar, estão comprando metais e moedas que não o dólar norte-americano.

    Isso é "perigoso", pois "muitas coisas poderiam cair com o dólar", garante Rowley, "desde as reservas mundiais e o comércio global até as transações bancárias e financeiras e os produtos básicos".

    Neste contexto, Washington poderia ser "o maior perdedor", salienta Rowley, que explica que o privilégio "exorbitante" de que desfruta o país norte-americano graças ao dólar ser a moeda global significa que os EUA não enfrentam crises da balança de pagamentos enquanto importa sua própria moeda.

    Contudo, o mundo ancorado no dólar poderia cair no esquecimento "da mesma maneira que a zona da libra esterlina", adverte o jornalista.

    Mais:

    Uso do dólar nas relações comerciais entre Rússia e China atinge mínimo histórico
    Brasil economizou R$ 466 milhões com trabalho remoto durante a pandemia, diz Ministério da Economia
    Investidores compram ouro por não haver boas alternativas? Especialistas explicam
    Tags:
    ouro, Estados Unidos, Dólar, análise, economia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar