06:03 06 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    COVID-19 desafia mundo no início de junho (54)
    0 41
    Nos siga no

    Em reunião virtual neste sábado (6), a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) decidiu por estender um acordo de corte na produção de petróleo mundial.

    A OPEP concordou em continuar cumprindo os níveis de produção acordados anteriormente, cujo período de duração ia de maio a junho deste ano. Com a decisão deste sábado (6), o acordo continuará em vigor até o final de julho de 2020.

    Conforme decidido, fica mantido o acordo que previa reduzir a produção de petróleo mundial em 9,7 milhões de barris por dia, de acordo com o que afirmou uma fonte familiarizada com os termos do projeto de comunicado que será divulgado pela organização após o término da reunião.

    "Sim, de acordo com o projeto, o atual corte de produção, acordado para maio e junho, ou seja, 9,7 milhões de barris por dia, será estendido até o final de julho", disse a fonte à Sputnik.
    Sede da Organização dos Países Exportadores de Petróleo, OPEP, em Viena, Áustria (arquivo).
    © AP Photo / Ronald Zak
    Sede da Organização dos Países Exportadores de Petróleo, OPEP, em Viena, Áustria (arquivo).

    No dia 13 de abril deste ano, após reunião realizada por vídeo-conferência, foi anunciado que a OPEP havia chegado a um acordo e cortaria a produção de petróleo em 9,7 milhões de barris de petróleo por dia, levando em conta a queda na demanda por petróleo no mundo inteiro devido à pandemia da COVID-19. À época, a queda brusca na demanda derrubou o preço do petróleo.

    Tema:
    COVID-19 desafia mundo no início de junho (54)

    Mais:

    OPEP+ decide diminuir produção mundial de petróleo em 9,7 milhões de barris por dia
    Poderia BRICS criar análogo da OPEP em meio à pandemia?
    EUA aplicam sanções contra empresas e embarcações ligadas ao comércio de petróleo da Venezuela
    Tags:
    COVID-19, Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), OPEP
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar