23:58 12 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    Avanço da pandemia de COVID-19 em meados de maio (112)
    350
    Nos siga no

    Alemanha e França concordaram nesta segunda-feira (18) com a criação de um fundo único de US$ 543 bilhões, cerca de R$ 3 trilhões, para ajudar a União Europeia a se recuperar da pandemia de coronavírus.

    A proposta seria mais uma injeção de capital em um arsenal de medidas financeiras que o bloco está preparando para lidar com as consequências econômicas da emergência de saúde, informa a agência de notícias Associated Press. 

    Após uma videochamada, a chanceler alemã Angela Merkel e o presidente francês Emmanuel Macron disseram que o plano prevê o empréstimo de recursos da União Europeia a mercados financeiros para ajudar setores e regiões particularmente afetados pela pandemia.

    O dinheiro seria desembolsado na forma de doações e não de empréstimos, com pagamentos feitos pelo orçamento da UE, uma proposta sem precedentes que supera objeções de longa data em Berlim à noção de empréstimos coletivos.

    "Devido à natureza incomum da crise, estamos escolhendo um caminho incomum", disse Merkel em coletiva de imprensa. 

    Macron disse que a proposta era uma maneira de "fazer a Europa avançar".

    "Precisamos tirar todas as lições dessa pandemia", disse ele, insistindo na necessidade de "solidariedade'' entre os Estados-membros do bloco europeu. 

    Tema:
    Avanço da pandemia de COVID-19 em meados de maio (112)

    Mais:

    Como coronavírus mudaria realidade e criaria mundo novo em nosso redor?
    Especialista britânico adverte: vacina contra coronavírus improvável até 2021
    Brasil tem mais de 240 mil infectados por coronavírus
    Dependente do turismo, Portugal lança selo de higiene contra o coronavírus para empresas do setor
    Contrair coronavírus novamente faz imunidade ser ativada em 2 dias, afirma especialista
    Doria culpa Bolsonaro por baixo isolamento: 'Coronavírus x Bolsonaro vírus, não sei qual é pior'
    Tags:
    UE, Alemanha, França, economia, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar