03:27 30 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    Avanço da pandemia de COVID-19 em meados de maio (112)
    31413
    Nos siga no

    A economia global sofrerá um colapso total em um futuro próximo se os governos não autorizarem a retoma das atividades suspensas pelas medidas de confinamento e quarentenas.

    Em declarações à Sputnik, Oskar Stakhovyak, economista, analista de risco e sócio-gerente da empresa Untitled Ventures, advertiu que "um colapso completo da economia é um cenário real em um futuro próximo", a menos que os governos abram as economias.

    "A maior parte dos prejuízos para a economia ocorreu no segundo trimestre deste ano, mas como vemos agora, até ao final do trimestre a situação melhorará. Contudo, devido à situação geral, muitas empresas vão ver desvalorizados seus ativos, o que pode levar a um aumento do endividamento, cuja dimensão dependerá do tipo de indústria. Se as restrições [quarentena e suspensão da atividade das empresas] continuarem no terceiro trimestre, toda a economia estará em grandes apuros", disse o especialista.

    De acordo com Stakhovyak, a situação é agravada por medidas de apoio desproporcionais e por uma gestão ultrapassada.

    Bolsa de valores de Xangai.
    © AFP 2020 / Greg Baker
    Bolsa de valores de Xangai.

    "O setor financeiro hoje é administrado de acordo com os mesmos modelos [...] quando assumimos que amanhã será como ontem, e de acordo com este cenário, não são precisas reservas, pois sempre houve acesso ao capital", afirmou Stakhovyak.

    O especialista afirma que as empresas industriais serão as primeiras a retomar suas atividades, enquanto o setor de serviços ainda terá de aguentar a quarentena.

    Stakhovyak é de opinião que a própria população está cansada do confinamento e poderia estar disposta a enfrentar certos riscos.

    "Se [o país] está em quarentena há muito tempo, a população está cansada e quer assumir os riscos propostos pelo Estado. Neste caso, tal decisão [de relaxamento ou fim da quarentena] compensará economicamente quaisquer riscos. Além disso, estamos vendo agora uma diminuição nas infecções e, por causa da natureza humana, estamos mais inclinados a acreditar que o pior já passou, impulsionando o retomar da vida e da economia", concluiu o especialista.

    Tema:
    Avanço da pandemia de COVID-19 em meados de maio (112)

    Mais:

    Pulverizar desinfetante nas ruas é perigoso e ineficaz, avisa OMS
    Vice-presidente Hamilton Mourão testa negativo para coronavírus
    Tags:
    novo coronavírus, COVID-19, pandemia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar