04:25 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    Brasil lidando com COVID-19 em meados de abril de 2020 (77)
    251
    Nos siga no

    Uma pesquisa feita pelo DataPoder360 divulgada neste sábado (18) mostrou que 77% das pessoas que não possuem salário fixo ou que estão desempregadas tiveram renda reduzida como resultado da crise econômica causada pela pandemia da COVID-19.

    Segundo a publicação, os dados mostram que quanto mais baixa a inserção econômica do entrevistado, maior tem sido o impacto na sua renda durante a pandemia.

    Somente 15% dos desempregados e sem salário fixo disseram não ter tido a renda prejudicada e 8% não souberam responder.

    Já entre os mais ricos, 26% das pessoas que recebem mais de dez salários mínimos (equivalente a R$ 10.450) afirmaram que sofreram impacto econômico por causa da pandemia e 71% disseram estar mantendo suas receitas inalteradas neste período e 4% não souberam responder.

    No levantamento nacional, foram entrevistadas 2.500 pessoas de 512 municípios nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de dois pontos percentuais e o intervalo de confiança é de 95%.

    Ao todo, a pesquisa mostra que 63% dos brasileiros tiveram o salário ou a fonte de renda prejudicada, 31% não tiveram e 6% não souberam responder.

    Home Office é mais presente entre mais ricos

    Outro aspecto monitorado pela pesquisa são possíveis alterações na rotina de trabalho do brasileiro. Segundo o levantamento, os mais ricos foram os que tiveram uma mudança maior e mais adequada às orientações contra a COVID-19.

    De acordo com os dados, 80% entre os brasileiros que recebem de cinco a dez salários mínimos e 70% dos que recebem mais de dez salários mínimos puderam trabalhar em casa durante o período de quarentena.

    Entre a parcela da população com renda menor, o percentual dos que mudaram a rotina de trabalho cai para 36%, ante 43% dos que disseram não ter passado a trabalhar em home office.

    Pessoas nas faixas médias de renda também tiveram menos mudanças na forma de trabalhar. Entre os que recebem até dois salários mínimos, 53% mudaram a rotina e entre os que recebem de dois a cinco salários, foram 56%.

    No total, 40% dos brasileiros disseram ter passado a trabalhar em casa, 46% disseram não ter tido a rotina alterada.

    Tema:
    Brasil lidando com COVID-19 em meados de abril de 2020 (77)

    Mais:

    Brasil registra 217 mortes pela COVID-19 nas últimas 24 horas e óbitos chegam a 2.141
    Economista: Brasil precisará de políticas econômicas expansionistas no pós-crise
    Surto de COVID-19 teria começado mais cedo e fora de Wuhan, segundo estudo de Cambridge
    COVID-19 pode ter matado até 15 mil no Brasil, aponta site
    Tags:
    novo coronavírus, pandemia, economia, renda, Brasil, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar