18:47 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    Mundo lidando com COVID-19 no início de abril de 2020 (153)
    8274
    Nos siga no

    Forte recessão em 2020 deverá ser o cenário econômico global, mas a China provavelmente será a exceção, dado sua economia indiciar recuperação, o que pode mesmo levar o país à liderança mundial.

    Depois de repetir nos últimos dias que a batalha contra o novo coronavírus estava praticamente ganha, a China, em um gesto pleno de simbologia, levantou na madrugada de 8 de abril o confinamento imposto em Wuhan.

    Embora os especialistas afirmem que, para evitar uma segunda vaga de contágio, a suavização das restrições da quarentena deva ser gradual, a vida vai retomando o seu curso normal no antigo Império do Meio.

    Sinais de retoma

    As notícias são inclusive tranquilizadoras no plano econômico. Após resultados desastrosos em janeiro e fevereiro, o Índice de Atividade Econômica (PMI, na sigla em inglês) da China no setor transformador recuperou em março, subindo para 52. Note-se que acima de 50 o índice indica uma expansão da atividade, ou seja, é um sinal de retoma econômica.

    "Tendo os meios de transporte voltado a funcionar, sobretudo graças ao apoio governamental, as pessoas puderam regressar ao trabalho em algumas das fábricas. Contudo, a situação é muito diferente de uma região para outra e a recuperação muito lenta", afirmou à Sputnik França Mary-Françoise Renard, especialista em economia chinesa.

    "O maior desafio para o governo é o emprego. A China não é um Estado social. Para já, Pequim não decretou um plano geral de estímulo, mas somente medidas específicas, nomeadamente de apoio ao emprego. Há que ter em conta que a legitimidade do poder chinês deriva da sua capacidade de proteger o seu povo e de melhorar o seu nível de vida. A luta contra o desemprego está, pois, no centro das políticas que estão sendo prosseguidas", considera Mary-Françoise Renard.

    Embora a recuperação seja lenta, esta deverá no entanto permitir à China evitar a recessão em 2020. O Banco Mundial prevê um crescimento de 0,1% no pior cenário possível, bem longe dos 6% inicialmente previstos, mas Pequim evitaria a recessão, que irá afetar provavelmente a maioria das potências econômicas mundiais.

    Demasiado cedo para falar de retoma?

    Espera-se que as consequências econômicas da pandemia do novo coronavírus sejam catastróficas para muitas economias. De acordo com a Organização Internacional do Trabalho, o mundo enfrenta a pior crise do mercado de trabalho desde a Segunda Guerra Mundial, podendo 1,25 bilhão de trabalhadores ser afetados.

    Por seu turno, a Organização Mundial de Comércio assinalou que setores inteiros das economias nacionais foram paralisados ou diretamente afetados pelas medidas de combate à pandemia.

    Na França, o governo prevê uma queda do PIB de cerca de 6% em 2020, havendo já sinais de recessão nos Estados Unidos, Itália, Espanha, Alemanha, Japão e em muitas outras grandes potências econômicas.

    Para Mary-Françoise Renard, "é muito cedo para falar de retoma" na China, relembrando que "a China é altamente dependente de outros países. Em primeiro lugar, no que diz respeito às cadeias de valor, há produtos que não pode [agora] comprar e, por conseguinte, não pode processar".

    "Mas, acima de tudo, Pequim está muito dependente da demanda externa, que está em queda livre", pelo que é muito cedo para afirmar que a China poderia ser o próximo líder da economia mundial, dado ser ainda desconhecido o "impacto real da crise do coronavírus na economia chinesa", concluiu a especialista.

    Tema:
    Mundo lidando com COVID-19 no início de abril de 2020 (153)

    Mais:

    Coronavírus: BID diz que América Latina deve tomar medidas econômicas 'não convencionais'
    Economista sobre dívida do Brasil na OMS: 'somos servos do imperialismo americano'
    Que rumo irá tomar a economia mundial após a pandemia?
    Tags:
    novo coronavírus, líderes mundiais, economia, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar