00:23 14 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    COVID-19 no Brasil no início de abril de 2020 (99)
    1162
    Nos siga no

    As montadoras Toyota, Honda e Renault decidiram no mês passado suspender a produção de veículos no Brasil em meio à pandemia da COVID-19.

    A paralisação das atividades, além de danos para a economia brasileira, como demissões e dificuldades econômicas para o mercado interno, gera também incertezas em relação a um dos principais parceiros econômicos do Brasil.

    A vizinha Argentina declarou nesta segunda-feira (6) que decidiu adiar pagamentos de até US$ 10 bilhões em dívidas emitidas em dólares sob a lei local até o final do ano por causa do coronavírus.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, José Augusto de Castro, presidente da AEB (Associação de Comércio Exterior do Brasil), disse que no momento as relações comerciais entre os parceiros Brasil e Argentina estão suspensas.

    "As relações comerciais entre Brasil e Argentina neste momento estão relegadas a segundo plano, porque claro a prioridade é a pandemia no novo coronavírus", disse.

    José Augusto de Castro chamou a atenção para dados relativos ao mês passado sobre as trocas comerciais entre os dois países.

    "Se nós verificarmos dados estatísticos que foram divulgados na semana passada, relativo ao mês de março, as nossas exportações para a Argentina tiveram uma queda de 6% enquanto as nossas importações tiveram uma queda de 28%. Ou seja, o comércio exterior ficou em segundo plano neste momento, porque a prioridade é dar atenção a pandemia que está acontecendo no mercado interno", afirmou.

    No entanto, apesar do foco ser o combate ao novo coronavírus, José Augusto de Castro salientou que as consequências da suspensão das relações comerciais entre Brasil e Argentina são bastante negativas.

    "Perda de emprego, perda de atividade econômica, retração econômica, todos os aspectos negativos que nós podemos listar neste momento estão sendo vividos pelos dois países, especificamente aqui na América do Sul", completou.

    O Brasil é o principal destino das exportações argentinas. O Brasil compra, principalmente, caminhões, carros e trigo.

    Tema:
    COVID-19 no Brasil no início de abril de 2020 (99)

    Mais:

    Presidente argentino diz que não existe dúvida entre 'preservar a economia ou a vida'
    Standard & Poor's reduz perspectiva da nota do Brasil para 'estável'
    Paralisação de fábricas de veículos: 'Não existia outra alternativa', diz especialista
    Tags:
    novo coronavírus, COVID-19, Brasil, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar