14:23 02 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    0 30
    Nos siga no

    Até 46 milhões de pessoas podem perder seus empregos no curto prazo, nos Estados Unidos, por conta da pandemia da COVID-19, avalia o economista James Bullard, presidente do Banco da Reserva Federal dos EUA (Fed) em St. Louis, Missouri.

    De acordo com o funcionário do banco central norte-americano, essa previsão leva em consideração o fechamento de empresas e a interrupção de serviços que têm alto contato com o público, orientado a manter um isolamento social a fim de conter a disseminação do novo coronavírus no país. 

    "São pessoas que estão em algum tipo de ocupação em que interagem com o público e é exatamente isso que nossas autoridades de saúde dizem que não deveria estar ocorrendo", disse Bullard em entrevista citada pela Reuters, defendendo atuação rápida das autoridades para implementar medidas de apoio à renda e outros programas econômicos. 

    ​Com 55.081 pessoas diagnosticadas com a COVID-19 e 785 mortos, os EUA, assim como outros países, estão adotando restrições ao deslocamento de pessoas para reduzir a propagação do novo coronavírus. No entanto, tais políticas têm sido alvo de algumas críticas, por conta dos impactos negativos para a economia.

    Um dos maiores críticos a essa quarentena é justamente o presidente da República, Donald Trump, que já se queixou abertamente dos efeitos das restrições e prometeu rever algumas decisões sobre esse tema nos próximos dias.

    Mais:

    Coronavírus: bancos alemães antecipam recessão econômica
    COVID-19: 'Vai ser a crise mais séria da história econômica do capitalismo', diz especialista
    XP Investimentos fala em até 40 milhões de desempregados e empresários pedem ajuda do Estado
    Tags:
    Donald Trump, Reuters, quarentena, crise, economia, trabalho, emprego, novo coronavírus, COVID-19, Federal Reserve (Fed)
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar