00:59 06 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    140
    Nos siga no

    O Fundo Monetário Internacional (FMI) provavelmente reduzirá suas previsões de crescimento da economia mundial em função do impacto causado pelo surto do novo coronavírus, admitiu o porta-voz da entidade, Gerry Rice.

    "Provavelmente vamos reduzir nossas projeções de crescimento para o mundo no [relatório] Panorama Econômico Mundial de abril", disse ele. 

    Rice afirmou ainda que o surto do vírus terá "claramente um impacto" no crescimento da economia, mas não forneceu números devido à incerteza da situação. 

    Segundo ele, alguns países sofrerão "um impacto significativo" como resultado da disseminação do novo coronavírus. 

    O porta-voz explicou ainda que as reuniões de abril do FMI e do Banco Mundial estão confirmadas e ambas entidades têm planos de contingência para lidar com a situação. Porém, os encontros podem ser reduzidos ou realizados por videoconferência, segundo publicou a agência Reuters. 

    Rice afirmou que as viagens de funcionários do Fundo para a China estão suspensas, incluindo Hong Kong e Macau, mas que para as outras partes do mundo não há restrições. 

    Até agora, foram confirmados mais de 80 mil casos em mais de 40 países e territórios. A China concentra grande parte deles, chegando aos 96,8%, seguida pela Coreia do Sul, que diagnosticou 763 casos confirmados, e pela Itália, que soma mais de 200.

    Na América do Sul, o Brasil registrou o primeiro resultado positivo confirmado para o coronavírus nesta quarta-feira (26). De acordo com o Ministério da Saúde, o paciente é um homem de 61 anos, residente de São Paulo, que viajou à Itália, região da Lombardia, no período de 9 a 21 de fevereiro.

    Mais:

    SP lidera registro de suspeitos de coronavírus no país com 11 casos
    Vice-presidente do Irã é infectada pelo coronavírus
    Moradores de São Paulo opinam se Brasil está preparado para coronavírus (VÍDEO)
    Rio de Janeiro confirma 5 casos suspeitos do novo coronavírus
    Tags:
    China, Brasil, saúde, epidemia, surto, doença, economia, FMI, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar