10:45 31 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    434
    Nos siga no

    A dívida do país sul-americano, devido a vários fatores negativos, é insustentável, diz o organismo internacional após uma visita ao país, em que se reuniu com as autoridades argentinas.

    O Fundo Monetário Internacional (FMI) avalia que a dívida da Argentina é insustentável devido a depreciação do peso, contração do PIB real e outros riscos financeiros, segundo um comunicado emitido pela organização.

    "O FMI avalia agora que a dívida da Argentina é insustentável", disse o Fundo na quarta-feira (19), após concluir sua missão no país.

    A equipe do FMI visitou Buenos Aires de 12 a 19 de fevereiro e considerou as reuniões com as autoridades argentinas como "muito produtivas".

    Manifestação contra o FMI e o ajuste na Argentina
    © Sputnik / Francisco Lucotti
    Manifestação contra o FMI e o ajuste na Argentina

    O Fundo destacou o compromisso da Argentina com a resolução dos desafios econômicos que o país enfrenta.

    "As autoridades argentinas estão se mobilizando para enfrentar a difícil situação econômica e social que o país enfrenta. Eles implementaram um conjunto de políticas para enfrentar o aumento da pobreza, ao mesmo tempo em que tomaram medidas para estabilizar a economia", disse o FMI.

    O governo argentino e o FMI vão continuar a estreita cooperação, acrescenta o comunicado. "No contexto da próxima reunião dos ministros das Finanças do G20, a diretora executiva do FMI, Kristalina Georgieva, vai se reunir com o ministro da Economia, Martin Guzmán, para discutir os próximos passos no envolvimento do FMI com a Argentina", afirmou.

    FMI na Argentina

    Em junho de 2018, o FMI aprovou um empréstimo de recurso de US$ 50 bilhões (R$ 218,3 bilhões) para a Argentina. No fim do mesmo ano, o Fundo concordou em aumentar o empréstimo para US$ 56,3 bilhões (R$ 245,9 bilhões).

    Sob a administração de Mauricio Macri, a Argentina, que recentemente assistiu a uma profunda crise econômica e ao colapso da moeda nacional, recebeu US$ 44 bilhões (R$ 192,2 bilhões) do empréstimo de US$ 56,3 bilhões (R$ 245,9 bilhões). O novo presidente, Alberto Fernández, disse que seu governo não aceitaria o restante do empréstimo e iria rever o cronograma de pagamento.

    Mais:

    Por que os últimos 10 anos foram tão turbulentos para economia argentina?
    Banco Mundial revela previsões para economias da América Latina em 2020
    Europa tem voz no FMI, mas EUA têm decisão final, diz especialista sobre dívida argentina
    Tags:
    Argentina, FMI
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar