12:31 28 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    12630
    Nos siga no

    A China continuará cooperando com a Venezuela mesmo com as sanções impostas pelos EUA contra o país sul-americano, informa o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang.

    Momentos antes, o enviado especial da Casa Branca, Elliott Abrams, assegurou que os EUA estão tratando de convencer a China e a Índia a deixarem de comprar petróleo venezuelano.

    "Esperamos que os EUA tomem consciência dos fatos, deixem de abusar com sanções e outras medidas coercitivas, trabalhem com todas as partes para encontrar uma solução política ao problema venezuelano [...] A cooperação entre China e Venezuela continuará a se desenvolver", mesmo com as "mudanças", afirmou o porta-voz chinês.

    Entretanto, o porta-voz afirmou que Washington deve apoiar o retorno de Caracas "a uma via normal de desenvolvimento".

    "A cooperação entre China e Venezuela sempre decorreu de acordo com os princípios de igualdade, do benefício mútuo, uma cooperação próspera e regras do mercado", ressaltou o representante do Ministério das Relações Exteriores chinês.

    Ele também recordou que a cooperação é "legal e benéfica para os povos de ambos os países, e por isso deve ser respeitada e protegida".

    Sanções contra Rosneft

    Além disso, a China também não concorda com as sanções impostas pelos EUA contra a Rosneft Trading S.A., filial da petroleira russa Rosneft, por sua atividade, citou Geng.

    "Nós nos opomos a qualquer interferência nos assuntos internos de outros países, bem como estamos contra as sanções unilaterais e a jurisdição extraterritorial", afirmou o porta-voz da chancelaria.

    Geng também afirmou que a China defende "solucionar os desacordos através de negociações em conformidade com os objetivos e princípios da Carta das Nações Unidas e as normas básicas das relações internacionais" e também a resolução do problema venezuelano através do diálogo e negociações.

    Mais:

    Sistemas de mísseis e 2 milhões de combatentes participam de exercício militar na Venezuela (FOTOS)
    Venezuela acusa governo de Portugal e empresa aérea de tentarem entrar com explosivos no país
    Maduro: Bolsonaro busca provocar conflito armado com Venezuela
    Tags:
    América do Sul, sanções, cooperação, EUA, Venezuela, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar