01:10 24 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    3102
    Nos siga no

    Neste sábado (8), a vice-presidente argentina Cristina Kirchner disse que, havendo recessão, o governo não pagará nem "meio por cento" de sua dívida ao FMI.

    Na apresentação de seu livro "Sinceramente" na Feira Internacional do Livro de Cuba, em Havana, Kirschner considerou que "a primeira coisa que devemos fazer para pode pagar é sair da recessão", revela agência Reuters.

    "Se há uma recessão, ninguém pagará nem mesmo meio por cento e a forma de sair de uma recessão é através de forte investimento do Estado".

    A Argentina precisa reestruturar US$ 100 milhões (R$ 432 milhões) da dívida soberana, incluindo parte dos US$ 57 bilhões (R$ 246 bilhões) emprestados ao país pelo FMI em 2018.

    As negociações com o FMI é a principal esperança da Argentina para evitar a inadimplência em meio a uma desvalorização cambial, forte inflação e contração da economia. Em Buenos Aires, uma missão técnica do FMI deve discutir nas próximas semanas as obrigações devidas ao fundo.

    A peronista Kirchner viaja constantemente para Cuba a fim de visitar sua filha Florencia Kirchner, que está passando por tratamento médico no país caribenho.

    Mais:

    FMI prevê estabilização da economia brasileira devido à 'melhora de atitude'
    FMI espera conhecer planos econômicos de Fernández e declara apoio a 'medidas de proteção social'
    Verme carnívoro argentino invade Europa e poderia causar danos avassaladores ao continente
    Tags:
    calote, economia, FMI, recessão, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar