08:24 20 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    8333
    Nos siga no

    A diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, alertou que a economia mundial corre o risco de mergulhar de novo na Grande Depressão, impulsionada pela desigualdade e instabilidade no setor financeiro.

    Uma nova pesquisa, feita pela agência reguladora do sistema financeiro mundial, revelou que uma tendência semelhante à que culminou com o grande colapso do mercado em 1929 já estaria em andamento.

    Em meio a seu discurso no Instituto Peterson de Economia Internacional em Washington (EUA), Georgieva indicou que, embora o fosso de desigualdade entre países se tenha fechado nas últimas duas décadas, este fenômeno tem aumentado dentro dos países, um dos quais é o Reino Unido.

    "No Reino Unido, por exemplo, os top 10% controlam agora quase tanta riqueza como os 50% da base. Esta situação reflete-se em grande parte da OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico], onde a desigualdade de renda e riqueza atingiu, ou está próxima de atingir, máximos históricos", cita o jornal New York Times as palavras da chefe do FMI.

    "De certa forma, esta tendência preocupante faz lembrar o início do século XX, quando as forças gêmeas da tecnologia e da integração levaram à primeira idade dourada, a década de 1920, e por fim ao desastre financeiro", destaca.

    Volatilidade financeira

    Na opinião de Georgieva, novos problemas, como a emergência climática e o aumento do protecionismo comercial, provavelmente causarão agitação social e volatilidade nos mercados financeiros durante esta década.

    No contexto das disputas em curso entre EUA e Europa, ela afirmou que "o sistema comercial mundial precisa de melhorias significativas".

    O especialista americano em política e finanças Eric LeCompte disse que o FMI transmitiu uma forte mensagem sobre o potencial para outro grande desastre financeiro.

    A matriz do Fundo Monetário Internacional (FMI), na capital dos EUA, Washington D.C
    © AP Photo / Cliff Owen
    A matriz do Fundo Monetário Internacional (FMI), na capital dos EUA, Washington D.C

    "Com a desigualdade aumentando e preocupações de estabilidade nos mercados, temos que levar este aviso a sério", comentou LeCompte ao The Guardian.

    Mais:

    Acordo entre China e Estados Unidos revitalizará a economia mundial? Opinião de especialistas
    Criptomoeda poderia substituir dólar na economia mundial, diz governador do Banco de Inglaterra
    Banco Mundial revela previsões para economias da América Latina em 2020
    Tags:
    setor financeiro, instabilidade, desigualdade, crise financeira, Grande Depressão, economia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar