18:17 20 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    4120
    Nos siga no

    A crescente autonomia chinesa em relação à tecnologia ocidental representa uma ameaça à liderança econômica dos Estados Unidos, comentou Irina Komarova, acadêmica em teoria econômica.

    Nesta quarta-feira (15), EUA e China assinaram o primeiro pacote de acordos comerciais. Como parte dos acordos, Pequim aceitou comprar produtos norte-americanos no valor de US$ 200 bilhões (R$ 835 bilhões) ao longo dos próximos dois anos, o que inclui importações de serviços e energéticas, além de produtos industriais e agrícolas.

    Desta forma, o país norte-americano espera diminuir o déficit na balança comercial com o gigante asiático para um valor "honesto". Pequim também se comprometeu a proteger os direitos de propriedade intelectual e aumentar o acesso ao seu mercado interno.

    "A República Popular da China criou um sistema financeiro e uma base técnico-científica independentes do Ocidente, o que, combinado com um fator de produção como o trabalho, cria uma ameaça direta à liderança econômica mundial dos Estados Unidos", analisou Komarova. A economia chinesa continua progressivamente a ocupar uma parcela cada vez maior do Produto Interno Bruto (PIB) mundial, se tornando uma economia incontornável em qualquer cenário econômico.

    A cerimônia de assinatura do memorando de 86 páginas ocorreu na Casa Branca e contou com a presença do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e do vice-primeiro-ministro da China, Liu He.

    Mais:

    Guerra comercial entre EUA e China reduzirá PIB global em 0,5%, diz FMI
    Matar dois pássaros com uma pedra: China investe no México contornando protecionismo americano
    'Olho do Céu': China atinge 100% do funcionamento do maior radiotelescópio do mundo (FOTOS)
    Tags:
    direitos autorais, acordo, economia, Estados Unidos, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar