01:57 28 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    354
    Nos siga no

    Segundo dados do Índice de Economia Subterrânea (IES), divulgado pelo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (ETCO) e pelo Ibre/FGV, a economia informal avançou pelo quinto ano consecutivo no Brasil.

    O instituto também apontou que a chamada "economia subterrânea" movimentou R$ 1,12 trilhão ao longo do ano, o que equivale a 17,3% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil.

    O trabalho informal, ou seja, aquele que não é registrado na Carteira de Trabalho, também impacta a Previdência Social, isso se deve ao fato de que os trabalhadores informais não contribuem para o sistema previdenciário.

    Segundo o especialista em questões previdenciárias, Carlos Heitor Campani, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), estimou que 30% do déficit atual da Previdência Social brasileira se deva ao alto número de trabalhadores que estão na informalidade.

    "Eu fiz um cálculo em 2018, que à época, chegamos a um valor de que 20% a 25% do déficit total do INSS. Com o aumento da informalidade em 2019, a gente acredita que esse número pode ter inclusive ultrapassado 30% do déficit. É óbvio que o problema do déficit da Previdência não é só culpa da informalidade, mas ela responde por uma parcela desse déficit absolutamente não desprezível", disse à Sputnik Brasil.

    Carlos Heitor Campani explicou que o número se deve ao fato de que muitas dessas pessoas que atuam no mercado informal não contribuem para a Previdência.

    "O sistema previdenciário brasileiro perde receita. Dessas pessoas na informalidade, a grande maioria não contribui para o INSS e aqueles que por conta própria contribuem para o INSS, quase que todos contribuem sobre o mínimo", afirmou.

    O economista também alertou sobre a possibilidade de muitas dessas pessoas, dependendo das condições, não poder ter direito a aposentadoria.

    "A outra dimensão que eu ressalto é que muitas dessas pessoas vão ter a sua aposentadoria em risco porque quanto maior o tempo que elas permanecem na informalidade, maior a chance delas não atingirem o tempo mínimo de contribuição na Nova Previdência, que é de 15 anos, podendo chegar a 20 anos no caso de homens que entrarem no mercado de trabalho após a última Reforma da Previdência. Se a pessoa não tiver esse tempo mínimo de contribuição, ela não terá o direito a se aposentar, sem falar que o menor tempo de contribuição impactará negativamente o valor do seu benefício", afirmou.

    No terceiro trimestre deste ano, o PIB brasileiro cresceu 0,6% em comparação com o anterior, segundo dados divulgados no início do mês pelo IBGE.

    Carlos Heitor Campani diz que as previsões de crescimento econômico para o Brasil nos próximos anos é o que pode ajudar a reverter o índice de informalidade.

    "Existe uma esperança de que o Brasil vai ter condições de crescer bem e não por um ou dois anos. Se isso acontecer a gente com certeza tem um aliado para vencer essa informalidade", completou.

    Mais:

    Bolsonaro diz que Brasil 'quebra em 2 anos' se não fizer reforma da Previdência
    'PEC Paralela': Senado conclui votação que põe estados e municípios na Reforma da Previdência
    Crescimento de 0,6% no PIB faz Bolsonaro cravar: 'estamos no caminho certo'
    Fim da crise? CNI projeta PIB de 2,5% em 2020 no Brasil
    Ambiente político brasileiro precisa se normalizar para o dólar cair, diz economista
    Alta do dólar poderá ter efeito 'muito grave' na alimentação do brasileiro, diz economista
    Juros e cenário regional explicam fuga de dólares do Brasil, diz economista
    Tags:
    carteira de trabalho, mercado de trabalho, trabalho irregular, trabalho informal, postos de trabalho, trabalho, informalidade, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar