20:59 27 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    6224
    Nos siga no

    No último sábado (14), o presidente da Argentina, Alberto Fernández, decidiu aumentar as tarifas sobre as exportações agrícolas.

    A medida é a primeira ação na área econômica do novo governo e tem como objetivo estabilizar os preços dos alimentos no mercado argentino e tentar elevar a arrecadação em meio à crise.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), disse que as medidas podem impactar o comércio exterior brasileiro.

    "Elas podem ter indiretamente um impacto negativo sobre o comércio exterior brasileiro, principalmente porque essas medidas, aumentam o custo de produção da Argentina e isso faz com que a Argentina deixe de gerar divisa e sem gerar divisa não tem como importar produtos manufaturados do Brasil", disse.

    Por outro lado, segundo José Augusto de Castro, o aumento das tarifas sobre as exportações agrícolas podem reduzir a produção de grãos da Argentina, já que o custos de exportação vão ficar elevados e, consequentemente, beneficiar o Brasil.

    "Essa redução da produção de grãos pode vir indiretamente a beneficiar o Brasil porque hoje o mercado mundial está mais ou menos equilibrado, se você tem uma redução de um dos três fabricantes (Brasil, Estados Unidos e Argentina) naturalmente provoca um desequilíbrio entre oferta e demanda e isso faria com que os preços subissem teoricamente beneficiando o Brasil e os Estados Unidos", projetou.

    De todo o trigo que o Brasil importa, a Argentina é o principal fornecedor. Aproximadamente 50% do consumo de trigo no Brasil vem do país vizinho.

    "O lucro da taxação pode ser completamente absorvido pela taxa do governo e isso desestimularia o produtor. Desestimulando a produção, naturalmente o preço do trigo da Argentina sobe, assim como o preço do trigo mundial", explicou o presidente da AEB.

    Segundo José Augusto de Castro, o Brasil pode ter que buscar novos mercados para importar trigo, por conta das medidas do governo de Alberto Fernández, e a Rússia pode ser beneficiada.

    "É possível [que a Rússia seja beneficiada], embora a distância seja um fator de custo adicional, mas é possível porque na hora você pode usar a importação do trigo da Rússia como uma forma de abertura de mercado para produtos manufaturados brasileiros na Rússia. É questão de negociação", completou.

    Mais:

    Corrida entre Brasil e Argentina por trigo modificado pode ajudar Rússia, diz especialista
    Bolsonaro pode conceder cota de importação de trigo aos EUA, revela agência
    Acordo entre Brasil e EUA sobre trigo pode prejudicar relações com Argentina?
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar